Carta do Greenpeace a Lula chega ao topo do Twitter no Brasil

Abaixo-assinado virtual dominou os Trending Topics em português no início da tarde desta segunda-feira

estadao.com.br,

19 Outubro 2009 | 19h01

A campanha do Greenpeace que cobra que as autoridades brasileiras levem uma série de metas de preservação ambiental à 15ª Convenção do Clima, em Copenhague (Dinamarca), em dezembro, atingiu nesta segunda-feira, 19, o topo dos Trending Topics (assuntos mais comentados) do conteúdo em português do Twitter referente ao presidente Lula.

 

A organização está recolhendo desde janeiro assinaturas para uma petição que exige do governo três metas climáticas. Segundo o coordenador da campanha, João Talocchi, o Greenpeace conseguiu até agora mais de 70 mil assinaturas, cerca de metade pelo site do órgão. As demais foram coletadas em mobilizações de rua e durante a expedição de um navio do Greenpeace pela costa brasileira.

 

O abaixo-assinado propõe um conjunto de metas que, segundo a organização, o Brasil deveria adotar, como zerar o desmatamento da Amazônia até 2015.

 

Talocchi diz que o número bom, mas que as autoridades brasileiras ainda não deram um parecer sobre o documento. Mas ele afirma que o governo está se reunindo de novo para ampliar os compromissos já assumidos. "Se isso é reflexo ou não da campanha, não podemos dizer, mas evidencia as ações de movimentos da sociedade".

 

At o final da tarde, o Ministério do Meio Ambiente não havia se manifestado sobre o assunto.

 

Leia a íntegra do documento:

 

Exmo. Sr. Luiz Inácio Lula da Silva, presidente da República

 

Venho, por meio desta, exigir que o governo brasileiro assuma a liderança nas negociações da 15ª Conferência das Partes da ONU, em Copenhagen, na Dinamarca e se comprometa a:

 

- Zerar o desmatamento da Amazônia at 2015 e apoiar a criação de fundo financeiro internacional para apoiar este objetivo (mecanismo Florestas pelo Clima);

 

- Garantir que pelo menos 25% da eletricidade sejam gerados a partir de fontes renováveis de energia como vento, sol, biomassa e pequenas centrais hidrelétricas at 2020, e apoiar a transferência de tecnologia entre os países;

 

- Transformar pelo menos 30% do território costeiro-marinho do Brasil em áreas protegidas at 2020;

 

Senhor presidente, independente do histórico do Brasil como emissor de gases estufa, o país deve assumir sua responsabilidade.

 

 Podemos continuar nos desenvolvendo e gerar emprego e renda sem contribuir para o aquecimento global, o maior desafio já enfrentado pela humanidade.

 

Salvar o planeta agora ou agora!

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.