Sérgio Castro/Estadão
Sérgio Castro/Estadão

Carro elétrico no Brasil precisa de mais incentivo, dizem especialistas

Impostos altos e falta de investimento em infraestrutura são grandes gargalos da expansão desse mercado do País

Leonardo Pinto, Especial para o Estado

28 Setembro 2017 | 14h07

Pioneiro e um dos grandes produtores de energia renovável, o Brasil ainda não conseguiu transpor o sucesso de sua matriz energética limpa para o mercado automotivo. Os carros híbridos e elétricos são todos importados e representam menos de 1% das vendas no setor nacional, na contramão de países como Noruega e Alemanha, nações precursoras da popularização dos chamados veículos “verde”. Por aqui, um automóvel elétrico custa a partir de R$ 45 mil. Mas esse valor vale apenas para o modelo mais simples da Hitech Electric, um carrinho compacto que atinge no máximo 60 km/h. O Prius, da Toyota, referência no universo dos carros híbridos, sai por volta de R$ 120 mil. 

Por que o Brasil anda em marcha lenta no mercado de carros híbridos e elétricos e o incentivo ao assunto ainda é tabu para governo e montadoras? 

Segundo especialistas ouvidos pelo Estado, faltam principalmente políticas públicas para incentivar mais a produção e o consumo de carros elétricos. O presidente da Associação Brasileira do Veículo Elétrico (ABVE), Ricardo Guggisberg, diz que há um conjunto de fatores que fazem o mercado não vingar no Brasil, como os altos impostos, o custo elevado para implantar infraestrutura adequada e a necessidade de importação, o que encarece toda a operação. "O principal gargalo é a falta de uma política pública que incentive os veículos híbridos e elétrico", afirma Guggisberg, que cita países como Estados Unidos, Portugal e Chile, que conseguiram reduziram o imposto equivalente ao ICMS brasileiro e outros como o Reino Unido, onde os carros híbridos e elétricos são liberados para circular nas zonas de congestionamento sem nenhum tipo de restrição. 

O engenheiro Ricardo Takahira, da comissão técnica de Veículos Elétricos e Híbridos da SAE BRASIL, também considera o descaso do governo com o setor o principal problema. "A Alemanha, por exemplo, quer proibir carros a combustão até 2030. Isso é um incentivo, uma política pública que temos que começar a fazer, senão ficaremos para trás", diz o especialista.

Como o Brasil pode começar a fazer a transição dos carros movidos a combustão para carros elétricos? O País está preparado?

De acordo com o presidente da ABVE, o Brasil não está pronto e nem perto de começar essa transição porque, segundo ele, isso traria um colapso na economia brasileira, que tem como um de seus pilares o setor automotivo movido a combustão. "Essa transição, por enquanto, está fora de cogitação. O desemprego aumentaria porque a cadeia produtiva iria mudar. Um pistão, por exemplo, não teria que ser fabricado na mesma escala e isso causaria um colapso na indústria de autopeças", projeta Guggisberg. 

Mas o engenheiro Ricardo Takahira tem uma visão mais otimista. Segundo ele, o Brasil tem condições de adotar o modelo e a mudança seria gradual, com o mercado se adequando de forma natural a outras demandas. "Teria que ter uma rápida mudança de portfólio e seria uma chance de as empresas brasileiras nacionalizarem o mercado de carros elétricos, o que seria bom para a economia do setor, mas isso ainda está longe de acontecer porque essa ideia tem que vir de cima, do governo em conjunto com as montadoras".

Qual a melhor solução para começar essa transição?

Os chamados carros híbridos flex são a principal aposta brasileira, segundo os especialistas. O modelo trabalha com dois motores, um elétrico e um a combustão, como qualquer híbrido. A diferença é que há a opção de colocar etanol no híbrido flex, reduzindo a quantidade de emissões de gás carbônico e incentivando biocombustíveis como a cana-de-açúcar, que, no plantio, ajuda a capturar carbono da atmosfera, e aquecendo ainda mais o agronegócio no setor sucroalcooleiro. 

Seria, de acordo com Takahira, o melhor dos mundos na realidade brasileira. "Com a entrada dos híbridos flex no Brasil, a transição para os veículos elétricos poderia acontecer de forma mais natural e o agronegócio seria mais uma vez um grande aliado. No quesito ambiental, os benefícios também aumentariam. "Não zeraria as emissões como no caso dos elétricos, mas teria um impacto muito menor com o etanol e com o maior plantio da cana-de-açúcar, que sequesta carbono", diz o engenheiro.  Ainda não há nenhum veículo híbrido flex no mundo, de acordo com a ABVE. Estudos ainda estão sendo feitos no Brasil, pioneiro na área, e a tendência é que a indústria automotiva adote a tecnologia nos próximos anos. 

E a questão da infraestrutura de abastecimento dos carros elétricos?

De acordo com a ABVE, atualmente são apenas cerca de 100 pontos de recarga de veículos elétricos em todo o país e o custo para sua implantação é muito alto. Segundo o engenheiro Takahira, uma empresa desembolsa aproximadamente R$ 150 mil para colocar apenas a tecnologia, sem contar a ocupação do espaço. E se não há incentivos para colocar mais postos, os consumidores que já tem carros recarregáveis têm receio de sair às ruas com seus veículos elétricos por causa da baixa autonomia da bateria (de forma geral, os carros elétricos conseguem rodar aproximadamente 150 km sem recarga). 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.