Canadá planeja mapear recursos minerais no Ártico

Soberania no Ártico passou a ser prioridade com aquecimento global e crise energética

AP

26 Agosto 2008 | 20h14

O Canadá planeja mapear recursos energéticos e minerais em sua região ártica em um esforço para desenvolver e incentivar seu controle no extremo norte, disse o primeiro-ministro Stephen Harper nesta terça-feira, 26.   Harper disse que trabalhadores em terra e aeronaves especializadas vão usar a ciência e a tecnologia mais avançadas para buscar por potencial mineral e energético. A informação será usada pra criar modelos geológicos e mapas subterrâneos para ajudar companhias a encontrar recursos.   A soberania no Ártico passou para o primeiro plano entre os países nórdicos a medida que o aquecimento global derrete a calota polar e abre novas rotas de navegação para recursos potencialmente ricos.   Já foi encontrado gás natural no mar de Beaufort, petróleo nas áreas ao leste do Oceano Ártico e diamantes no território Nunavut.   A pesquisa geológica do Canadá está trabalhando para mapear o Ártico e seus recursos potenciais até 2013, quando será assinado um acordo da ONU para determinar as fronteiras internacionais na região.   Falando antes de sair para uma viagem de três dias para a região, Harper disse que o gele derretendo e o crescente interesse global nos recursos árticos apresentam tanto uma oportunidade quanto um desafio para o Canadá, que tem firmado suas exigências no norte há alguns anos.   O primeiro-ministro disse que se estima que um quarto do petróleo e do gás ainda desconhecido fica na região.   "O que encontramos até agora é apenas a ponta do iceberg", disse. "Se gerenciada de maneira adequada, a parte do Canadá trará prosperidade energética para o país por gerações."   Canadá, Estados Unidos, Rússia e Dinamarca têm competido nas Nações Unidas por uma permissão para estender suas fronteiras marítimas até a região do Ártico.

Mais conteúdo sobre:
meio ambiente canadá

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.