Campanha para salvar urso polar tem mais de 300 mil adeptos

Arturo, considerado o animal mais triste do mundo, vive em zoológico da Argentina, onde enfrenta temperaturas de até 40ºC

EFE

18 Julho 2014 | 23h39

Uma campanha canadense para transportar o urso polar Arturo do Zoológico de Mendoza, na Argentina, ao Canadá já ganhou mais de 300 mil assinaturas. Arturo é considerado "o animal mais triste do mundo".

A petição, iniciada na página www.change.org por Laura Morales, que mora na localidade canadense de Hamilton, está dirigida à presidente argentina Cristina Kirchner. 

O documento pede que a presidente "exerça sua autoridade para que o urso polar Arturo, que vive em condições deploráveis no Zoológico de Mendoza, seja transportado ao Parque Zoológico Assiniboine, no Canadá, onde um hábitat natural e melhores condições de vida o esperam".

A campanha ganhou força quando, na semana passada, a imprensa britânica publicou diversos vídeos do "animal mais triste do mundo", nos quais Arturo aparece parado no zoológico argentino suportando temperaturas de até 40ºC.

A petição destaca que em dezembro de 2012 um urso polar morreu em Buenos Aires pelo calor e que a condição de Arturo em Mendoza está causando "uma imagem de província retrógrada" em todo o mundo. 

Os meios de comunicação também destacaram que, desde que sua companheira Pelusa morreu, Arturo vive sozinho no que parece um constante estado de depressão. 

O urso, de 29 anos, passou as últimas duas décadas no Zoológico de Mendoza, onde no verão as temperaturas podem chegar a 40ºC. No Ártico, de onde são oriundos os ursos brancos, as temperaturas chegam a 40ºC abaixo de zero. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.