EFE
EFE

Campanha 'Hora do Planeta' começa com apagão no Pacífico Sul

Iniciativa continuará nas próximas 24 horas avançando por cidades de todo o mundo, o Brasil inclusive

Efe,

28 Março 2009 | 06h49

A ilha Chatham, território da Nova Zelândia, apagou suas luzes neste sábado, 28, como sinal do início oficial da "Hora do Planeta", uma campanha da Worldwide Fund for Nature (WWF) iniciada há dois anos na Austrália para conscientizar cidadãos e governos sobre a mudança climática.

 

Veja também:

linkCidades do mundo inteiro apagam as luzes em protesto contra aquecimento 

linkCapital faz apagão contra aquecimento

 

A ação simbólica aconteceu às 3h45 (Brasília), quando o relógio marcava 20h30 na Ilha Chatham, a maior do grupo de dez que formam o arquipélago homônimo, habitada unicamente por cientistas e situada a 800 quilômetros do sudeste da Nova Zelândia.

 

A iniciativa continuará nas próximas 24 horas avançando por cidades de todo o mundo. Na Nova Zelândia, Auckland será a primeira a apagar as luzes.

 

Mais de 2.500 cidades e povos de todo o mundo se comprometeram com o projeto e espera-se que se alcance o objetivo dos organizadores, que é de contar com a adesão de mais de 1 bilhão de participantes.

 

A capital paulista vai aderir à Hora do Planeta 2009 - ato simbólico contra o aquecimento global liderado pelo WWF. Um termo de adesão assinado pelo prefeito Gilberto Kassab (DEM) estabeleceu que as luzes da Ponte Octavio Frias de Oliveira, Monumento às Bandeiras, Viaduto do Chá, Estádio do Pacaembu, Teatro Municipal, Obelisco, Estádio do Morumbi e Parque do Ibirapuera serão apagadas hoje, das 20h30 às 21h30. Prédios como o Edifício Copan, Instituto Butantã e Museu de Arte Moderna anunciaram que apagarão as luzes externas.

No Brasil, 76 cidades pretendem participar. Entre elas, Belém (PA), Brasília (DF), Campo Grande (MS), Florianópolis (SC), Manaus (AM), Porto Alegre (RS), Curitiba (PR) e Rio (RJ). Mais de 700 empresas e 300 organizações manifestaram apoio ao gesto no País.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.