Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Chad Hipolito/Reuters
Chad Hipolito/Reuters

Calorão no Canadá e frio no Sul: o que isso tem a ver com o aquecimento global?

Especialistas falam sobre as diferenças entre os dois eventos climáticos; hemisfério norte chegou a enfrentar 49,6ºC na última semana, com registro de mortes associadas às altas temperaturas

Roberta Jansen, O Estado de S.Paulo

04 de julho de 2021 | 23h00

RIO - Uma pequena cidade do temperado Canadá pegou fogo, literalmente, na semana passada depois de registrar temperaturas que chegaram a 49,6ºC – uma das mais altas do mundo naquele dia. Na mesma semana, no tropical Brasil, em cidades do sul do País, os termômetros ficaram abaixo de zero. Os eventos podem ser considerados extremos climáticos relacionados ao aquecimento global? Sim e não, segundo especialistas.

O calor registrado na pequenina cidade de Lytton, em British Columbia, durante três dias seguidos pode ser considerado um extremo climático ligado ao aquecimento global, segundo cientistas. Mesmo levando em conta o fenômeno La Niña e o aquecimento do Atlântico Norte em curso, trata-se de um fato totalmente atípico, que já deixou 500 mortos. Essa região do planeta nunca enfrentou tamanha onda de calor – pelo menos não desde que as temperaturas começaram a ser medidas, há mais de cem anos. No caso das baixas temperaturas no sul do Brasil, dizem especialistas, essa relação não pode ser estabelecida diretamente.

“Não dá para botar no mesmo balaio”, explica o climatologista Paulo Artaxo, pesquisador da USP e integrante do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC) da ONU. “No caso do hemisfério norte, essa é a primeira vez que o Canadá apresenta essas temperaturas nos últimos 150 anos. A probabilidade de uma temperatura dessa ser registrada em Vancouver se não houvesse mudanças climáticas seria praticamente zero. Temperaturas extremas são previstas como uma das consequências do aquecimento global. Todos os modelos climáticos do IPCC mostram um aumento da frequência e da intensidade de eventos climáticos extremos, como esse.”

Coordenador-geral do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), o climatologista José Marengo concorda com o colega da USP. “Muitos estudos já demonstraram que ondas de calor nos Estados Unidos estão ligadas às mudanças climáticas induzidas pelas atividades do homem; o fenômeno no Canadá segue na mesma linha”, diz Marengo. “Já sabemos também que eventos climáticos extremos estão ligados às mudanças climáticas.” Não é o caso do frio no sudeste e no sul do país, segundo os dois especialistas.

“O sul do País recebe frentes frias vindas da Antártida frequentemente”, diz o climatologista. “Não é a primeira vez que temos geada em Santa Catarina e no Paraná; não é a primeira vez que temos temperaturas de 10ºC ou mesmo 5ºC em São Paulo. Isso ocorre rotineiramente, praticamente a cada inverno, por alguns poucos dias; não dá pra chamar de evento climático extremo. Se batesse – 5ºC em São Paulo e o lago do Ibirapuera congelasse, aí eu chamaria de anormal.”

Marengo afirma que o frio no Brasil é um fenômeno meteorológico natural, que já aconteceu outras vezes. “Trata-se de uma frente fria que entrou no País e já está se dissipando”, diz. Entretanto, lembram especialistas, o aumento do desmatamento e das queimadas na Amazônia tem um impacto direto nas mudanças climáticas em curso no planeta.

“É um processo de mão dupla”, afirma o pesquisador do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam) Paulo Moutinho. “O desmatamento local e regional elimina vegetação que emite vapor d'água, que mantém o clima local úmido e chuvoso. Associado a eventos extremos, como a La Niña e o aquecimento do Atlântico Norte já exacerbados pelas mudanças climáticas em curso, o desmatamento agrava ainda mais a situação local, regional e global.”

Especialistas apontam que a crise hídrica que ameaça colocar o País em um novo racionamento de energia elétrica também pode estar ligaada á aceleração do desmate na Amazônia. Nos últimos anos, as taxas de incêndios e perdas de cobertura vegetal na região explodiram, o que fez a gestão Jair Bolsonaro ser alvo de críticas no Brasil e no exterior. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.