Luís Carlos Sampaio
Luís Carlos Sampaio

Caiapós têm dificuldade para vender óleo certificado de castanha

O mercado pouco exigente em relação ao “selo verde” atrapalha também quem tenta vender produtos certificados não-madeireiros. É o caso dos índios Caiapó da Terra Indígena Baú, no município de Novo Progresso (PA), que extraem castanha. A área, de 1,5 milhão de hectares, recebeu o selo do FSC em 2006.

Karina Ninni, Especial para o Estado

26 Fevereiro 2010 | 00h03

“Até 2007 foi um bom período. Vendíamos para a indústria cosmética. Mas, em 2008, o mercado retraiu e paramos de produzir óleo de castanha”, resume Luís Carlos Sampaio, biólogo e coordenador do Instituto Kabu, que gerencia a área Baú.

Segundo ele, vender o óleo é difícil por vários fatores. “Primeiro, os fabricantes usam pouquíssimo óleo natural nos produtos. Outro entrave é o prazo de validade, de apenas dois anos. Depois disso, nosso óleo já não serve para a indústria cosmética e temos de vender para a indústria de biocombustível a um preço dez vezes menor.”

Agora, os Caiapós estão tentando vender a castanha para a indústria alimentícia de São Paulo. Mas, segundo Sampaio, o mercado não responde aos produtores certificados como se esperava. “O comprador, no geral, não exige certificação. Ele compra qualquer coisa, a qualquer preço e empurra o produto para o consumidor.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.