Cadeia do carvão ilegal é alvo de operação do Ibama em MG e BA

Ação aplicou R$ 56 milhões em multas

O Estado de S. Paulo

26 Julho 2011 | 14h00

A Operação Corcel Negro 2, ação conjunta entre Ibama, Ministérios Públicos e outros órgãos, começou na sexta-feira e embargou quatro siderúrgicas, aplicou R$ 56 milhões em multas, apreendeu mais de mil toneladas de ferro-gusa, 73 caminhões, 22 armas e prendeu 39 pessoas nos Estados de Minas Gerais e Bahia.

O objetivo da operação era desmontar a cadeia produtiva do carvão ilegal que vem dos biomas Caatinga e Cerrado. Os alvos foram empresas, agenciadores, transportadores e produtores de carvão sem autorização em 25 municípios da Bahia e Minas Gerais. Foram cumpridos 58 mandados de busca e apreensão.

Segundo o Ibama, algumas empresas do setor siderúrgico participavam ativamente do processo, "recebendo carvão retirado da natureza com documentação fraudada por empresas fantasmas e transportados por caminhoneiros e negociados por atravessadores".

Para Luciano de Menezes Evaristo, do Ibama, é preciso que as empresas produtoras de aço cobrem a responsabilidade socioambiental das guseiras, que devem plantar árvores para produção do seu próprio carvão. / AFRA BALAZINA e ANDREA VIALLI

Mais conteúdo sobre:
Versão impressa

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.