Buraco da camada de ozônio volta ao tamanho normal

Compostos que consomem o ozônio podem permanecer na atmosfera por até 100 anos

Associated Press,

19 de outubro de 2007 | 19h45

O buraco na camada de ozônio sobre a Antártida voltou ao tamanho normal, encolhendo 16% em relação à abertura recorde registrada em 2006, informa a Nasa. Agora, ele tem "apenas" uma área igual à da América do Norte. Em setembro, o buraco atingiu o tamanho máximo para este ano de 25,1 milhões de quilômetros quadrados, abaixo do pico de 28,5 milhões, registrado no ano passado, disse o cientista Paul Newman, da Nasa.   Gases produzidos por atividade humana, contendo cloro e bromo, danificam a camada de ozônio, que protege a Terra dos gases ultravioleta do Sol. Como esses raios podem ser prejudiciais à saúde humana, há 20 anos países de diversas partes do mundo concordaram em proibir muitos compostos à base desses gases.   O buraco foi detectado pela primeira vez em 1985. Na taxa atual, deverá se fechar por volta de 2070, segundo Newman.   A despeito do sucesso da proibição dos gases que consomem o ozônio, esses compostos permanecem na atmosfera por até 100 anos, e o total de gases contendo cloro no ar caiu apenas 3,1% desde 2001, de acordo com Newman. O cientista atribui as variações no tamanho do buraco a condições climáticas.   "Não há como dizer que estamos vendo uma melhora real. Está menor por conta da situação do clima", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
ozônioultravioletanasa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.