Brown pede que mercados britânicos não dêem sacolas plásticas

Em artigo, prêmie do Reino Unido, Gordon Brown, disse que o objetivo é acabar com as sacolas plásticas

Efe,

29 de fevereiro de 2008 | 18h00

O primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, pediu nesta sexta-feira, 29, aos supermercados do Reino Unido que não dêem mais sacolas plásticas para seus clientes levarem as compras.   Em um artigo escrito para o tablóide popular Daily Mail, Brown desafiou os supermercados a acabarem de uma vez com o lixo desse tipo de sacolas, em benefício do meio ambiente.   "Estou convencido de que temos que atuar e que temos que fazê-lo já. Está claro que nosso objetivo é acabar com as sacolas de plástico, de usar e jogar fora", explicou o líder.   O governo britânico dará um ano para que os supermercados ponham um fim nessa política e ameaça e, em caso contrário, aplicará uma multa por cada sacola dada.   Brown se uniu à campanha ecologista do jornal, que dá aos leitores um saco de algodão para as suas compras. Além do Daily Mail, o jornal The Independent, de trajetória ecológica, também aderiu à campanha.   A rede britânica de supermercados Marks and Spencer quis dar exemplo ao anunciar que cobrará de seus clientes, a partir do dia 6 de maio, o equivalente a 6,6 centavos de euro por cada sacola de plástico.   O maior supermercado do país, o Tesco, que distribuiu três milhões de sacolas de plástico no ano passado, continuará entregando as sacolas de graça, mas oferecerá, em troca, pontos para seus clientes mais fiéis que reutilizarem o que já foi usado.   Todos os anos são distribuídos no Reino Unido 13 milhões de sacolas plásticas, material praticamente não degradável, já que permanece intacto no meio ambiente durante centenas de anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.