Reprodução
Reprodução

Britânicos criam jogo que explica impactos climáticos na Antártida

Cientistas e desenvolvedores de videogames se uniram para mostrar de forma didática como funciona processo de resposta de geleiras às mudanças ambientais

Fábio de Castro, O Estado de S. Paulo

23 Agosto 2016 | 20h11

Cientistas britânicos desenvolveram um jogo interativo para demonstrar o impacto das mudanças climáticas na Antártida. A ideia é mostrar de forma didática como funciona o complexo processo de resposta das geleiras às mudanças ambientais, que afeta desde a intensidade das nevascas até a temperatura e nível dos oceanos. 

O jogo, chamado "Ice Flows", foi lançado nesta terça-feira, 23, na Conferência do Comitê Científico de Pesquisa na Antártida, em Kuala Lumpur (Malásia) e já está disponível para download em celulares e computadores.

Segundo os cientistas, liderados por Anne Le Brocq, da Universidade de Exeter (Reino Unido), a água congelada acumulada no Manto de Gelo da Antártida tem potencial para causar, no futuro, alterações consideráveis no nível do mar, que afetarão milhões de pessoas em todo o mundo. Por isso, de acordo com eles, é importante que o público tenha consciência do impacto das mudanças climáticas nos mantos de gelo. Mas a complexidade do sistema dificulta a compreensão.

"A resposta do Manto de Gelo da Antártida às mudanças climáticas é muito complexa e, por isso, é difícil comunicá-la ao público de uma maneira clara e compreensível", disse Anne.

"O uso de um jogo ajuda não apenas a visualizar o sistema, mas também fornece um ambiente imersivo para que o usuário possa compreender totalmente o comportamento do manto de gelo e como ele responde às mudanças ambientais. Esperamos que também seja divertido de jogar", afirmou a cientista.

De acordo com Anne, o jogo foi idealizado para ser acessível para adultos e crianças de todas as idades. "O jogo é construído sobre uma representação simples de como é o fluxo de gelo na Antártida e como ele responde às mudanças do ambiente - por meio de mudanças na quantidade de neve e da temperatura do Oceano", afirmou Anne.

Segundo ela, o videogame permite que os jogadores promovam mudanças climáticas para controlar a extensão do manto de gelo, a fim de fazer com que seus pinguins possam pescar. Se o jogador fizer algo errado, seu pinguim pode acabar nas mandíbulas de uma foca-leopardo.

O objetivo é que o jogador possa perceber a complexidade do sistema de mantos de gelo, fazendo experimentos com seu próprio modelo, exatamente como fazem os cientistas que trabalham na área. O jogo tem diversos níveis que representam a resposta de diferentes partes da Antártida às mudanças climáticas.

De acordo com Anne, o desenvolvimento do jogo foi financiado pelo projeto "Plataformas de gelo no mundo em aquecimento", que investiga o sistema da Plataforma de Gelo Filchner, na Antártida, combinando medições feitas no local, com modelagem computacional dos fluxos de gelo, correntes oceânicas e variáveis atmosféricas. Essa região é considerada altamente vulnerável às mudanças nas correntes do oceano provocadas pelas alterações climáticas.

O jogo foi desenvolvido por Anne, em colaboração com desenvolvedores da Inhouse Visuals, da Questionable Quality e da Pesquisa Britânica da Antártida, que coordena o projeto de pesquisa. O projeto também envolve cientistas do UK Met Office, do Centro Nacional de Oceanografia do Reino Unido, do University College London, da Universidade de Oxford e do Instituto Alfred Wegner, da Alemanha.

 

Mais conteúdo sobre:
Malásia Reino Unido Oceano Alemanha

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.