ICMBio
ICMBio

Brigadistas do ICMBio são feitos reféns por criminosos em Roraima

As informações dão conta de que oito pessoas, que usavam capuz, entraram na base da Estação Ecológica de Maracá

André Borges, O Estado de S.Paulo

01 de junho de 2021 | 12h13

BRASÍLIA – Pelo menos três brigadistas que trabalhavam em regime temporário para o Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio) em Roraima foram alvos de uma emboscada na tarde desta segunda-feira, 31, tendo sendo reféns durante algumas horas por um grupo de criminosos encapuzados.

As informações dão conta de que oito pessoas, que usavam capuz, entraram na base da Estação Ecológica de Maracá, em Roraima. Ao fazerem reféns os três brigadistas que estavam no local, os criminosos levaram todos os materiais apreendidos durante uma operação de fiscalização realizada na região há duas semanas, dentro da unidade de conservação. Foram roubados ainda cinco quadriciclos e oito motores de popa.

Relatos obtidos pela reportagem dão conta de que os criminosos estavam fortemente armados, inclusive com fuzis, e que estavam atrás de agentes de fiscalização do ICMBio, que são servidores efetivos. Já os brigadistas costumam ser pessoal local, com contrato temporário.

Os brigadistas foram obrigados a levar os materiais até a beira do rio, onde foram liberados. A partir dali, os garimpeiros seguiram pelo rio Uraricoera, que dá acesso à terra indígena Yanomami. Há semanas a região enfrenta uma série de episódios de violência. Garimpeiros armados já atiraram contra os povos indígenas e trocaram tiros com agentes policiais. 

Procurado pela reportagem, o ICMBio declarou que "a Polícia Federal foi acionada e já está com investigação em andamento, contando com apoio integral do ICMBio e demais órgãos governamentais".

Na semana passada, em sua live, o presidente Jair Bolsonaro criticou o trabalho do ICMBio. O presidente afirmou ter encontrado índios no Amazonas que “detestam” o ICMBio, além de outros que gostam. “Fico do lado daquele pessoal que não é muito chegado em ICMBio, para deixar bem claro”, disse ele, que exibia adereços indígenas no braço. “Nós devemos redirecionar esse instituto para aquilo que os índios querem de verdade. A gente sente na região que algumas comunidades sofrem uma influência, uma verdadeira massificação por parte de ‘brancos’, vamos assim dizer, e por parte de instituições”.

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso determinou que a União adote ações imediatas para proteção da vida, saúde e segurança das populações indígenas que habitam as terras indígenas Yanomami, em Roraima. A determinação também foi feita em relação à proteção do povo Munduruku, no Pará, que também foi alvo de uma série de atos violentos nos últimos dias, tendo suas casas queimadas por criminosos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.