Brasileiro criou o ciclo vicioso do fogo

A queimada de florestas para abrir espaço para os plantios ainda é, infelizmente, uma prática cultural muito comum no Brasil. O hábito está presente do caboclo que não tem recurso e usa o fogo para suprir a falta de ferramentas aos grandes proprietários de terra que tentam diminuir os custos ou até na vida de quem mora na cidade, limpa o quintal e põe fogo para “limpar” a sujeira.

*Mario Mantovani, O Estado de S. Paulo

24 de agosto de 2010 | 12h23

 

Diferentemente dos índios, que queimavam uma área em uma estação e depois se mudavam para outra região e permitiam que a primeira se regenerasse,agora a queimada continua no mesmo local ano após ano, criando o ciclo vicioso do fogo. O solo vai ficando mais exposto, a área não se recupera e logo mais outro pedaço de floresta pode ser queimado para abrir uma nova frente para a plantação.

 

A escala é progressiva e lamentável. E a Lei de Queimadas até prevê responsabilidades, mas o poder público não tem condições de fiscalizar e de indicar os culpados. Por isso, precisamos de uma mudança de atitude, única solução para garantir a proteção dos nossos recursos naturais, tão necessários para todos quanto os alimentos produzidos nos ricos solos brasileiros.

 

*É diretor de políticas públicas da SOS Mata Atlântica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.