Brasileira Ana Paula consegue visto para sair da Rússia e volta hoje ao Brasil

Ela e outros 27 ativistas do Greenpeace e dois jornalistas foram presos em 19 de setembro após protesto contra exploração de petróleo no Ártico

Giovana Girardi, O Estado de S. Paulo

27 de dezembro de 2013 | 09h31

A brasileira Ana Paula Maciel, ativista do Greenpeace que ficou dois meses presa na Rússia, conseguiu nesta sexta-feira autorização do Serviço Federal de Imigração russo para deixar o país. Ela embarca ainda hoje para o Brasil.

Ela deixa a Rússia cem dias após a realização de um protesto contra a exploração de petróleo no Ártico que levou à prisão de 28 ativistas e dois jornalistas, no dia 19 de setembro. A bordo do navio Arctic Sunrise, eles haviam se aproximado de uma plataforma de petróleo empresa Gazprom e tentado colocar uma faixa no local. 

O Greenpeace sempre alegou que o protesto foi pacífico e que o navio estava em águas internacionais. A promotoria russa, no entanto, acusou os ativistas de pirataria, que podia levar a até 15 anos de prisão. Depois a acusação foi aliviada para vandalismo, que poderia levar a 7 anos de prisão. 

Diante da reação internacional, que levou à manifestação até da presidente Dilma Rousseff, os 30 do Ártico, como ficaram conhecidos os ativistas e jornalistas, começaram a ser libertados em 20 de novembro. Ana Paula foi a primeira a sair. No entanto eles ainda enfrentavam as acusações e não poderiam deixar o país. Na semana passada o governo russo concedeu anistia a todos.

Nesta sexta Ana Paula obteve hoje o visto de saída do país. Os demais estrangeiros também conseguiram e, até o momento, sete deles já deixaram a Rússia. O restante deve partir entre hoje e o fim de semana. Ana Paula embarca ainda nesta sexta-feira com destino ao Brasil. Ela segue a Porto Alegre, onde passará o Réveillon com a família.

“Deixo a Rússia da mesma maneira como entrei: de cabeça erguida e com a consciência limpa. Temos a convicção de que fizemos o bem para proteger o planeta para esta e as futuras gerações. É uma vergonha um país permitir que tamanha injustiça tenha acontecido para defender os interesses das empresas de petróleo”, declarou Ana Paula Maciel, de acordo com a assessoria de imprensa do Greenpeace.

“Estou ansiosa por retornar a minha terra, mas não se pode falar em final feliz enquanto o Ártico continuar derretendo, a Amazônia se reduzindo, os oceanos se envenenando. Eu tomei uma atitude e assumi os riscos por enxergar a urgência de mudar os rumos da humanidade. Há muito trabalho pela frente e precisamos de toda a ajuda possível dos que se importam e acreditam em nosso trabalho”, disse.

A chegada de Ana Paula em Porto Alegre está prevista para as 11h deste sábado, 28, no Aeroporto Internacional Salgado Filho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.