Estadão
Estadão

Brasil tinha 6,2 trilhões de m3 de recursos hídricos renováveis em 2015, revela IBGE

Contas Econômicas Ambientais do instituto mostram os sinais da crise hídrica e da retração das atividades econômicas

Daniela Amorim, O Estado de S.Paulo

16 Março 2018 | 10h39

RIO - O Brasil tinha 6,2 trilhões de metros cúbicos de recursos hídricos renováveis em 2015, o equivalente a 30,3 mil caixas d'água de mil litros para cada brasileiro. Os dados são das Contas Econômicas Ambientais da Água, referente a 2015, divulgada sexta-feira, 16, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O montante é menor do que o registrado nos anos anteriores. Em 2013, o montante de água disponível na superfície do território brasileiro era de 7,4 trilhões de metros cúbicos, passando a 7,6 trilhões de metros cúbicos em 2014.

+++ Brasil consome seis litros de água para cada R$ 1 de riqueza gerada

Dos 6,2 trilhões de metros cúbicos de água disponíveis no País em 2015, cerca de 3,2 trilhões foram retirados da natureza para serem usados em alguma atividade econômica. Mais de 99% dessas retiradas são devolvidas à natureza, através de usinas hidrelétricas, por exemplo. Um total de 0,5% dos recursos hídricos, o equivalente a 30,6 bilhões de metros cúbicos, é consumido pelas famílias e pelas empresas.

A Agropecuária foi a atividade que captou o maior volume de água diretamente do meio ambiente, 32,5 bilhões de metros cúbicos. O setor de Captação, tratamento e distribuição da água foi responsável pela captação de outros 17,1 bilhões de metros cúbicos; e a Indústria de transformação, 6,1 bilhões.

+++ Vendas do varejo voltam a subir em janeiro, aponta IBGE

As indústrias de transformação e construção tinham 95,7% da água que usavam captados diretamente da natureza. Nas indústrias extrativas essa proporção era de 99,3%, enquanto que na Agropecuária alcançou 96,6%. Entre as famílias brasileiras, 91,1% da água utilizada vinha das empresas de captação, tratamento e distribuição.

O instituto ressalta que as Contas Econômicas Ambientais do IBGE mostram os sinais da crise hídrica e da retração das atividades econômicas. O uso per capita de água pelas famílias, que cresceu de 111 litros por dia em 2013 para 114 litros por dia em 2014, encolheu para 108,4 litros por dia em 2015, quando o País já estava em recessão.

O volume de água retirada do meio ambiente pelas empresas de distribuição sofreu uma queda acumulada de 3,8% entre 2013 e 2015. No mesmo período, o volume de água fornecido pela atividade Água e Esgoto para uso das Famílias recuou 4,3%, enquanto o volume fornecido para as Demais atividades caiu 3,4%. Entretanto, as despesas das famílias com o consumo final de água de distribuição aumentaram 8,8% e as de consumo intermediário do grupo. As demais atividades subiram 10,4%.

+++ Após duas altas, setor de serviços cai 1,9% em janeiro, aponta IBGE

O valor da produção de água de Distribuição e Serviços de esgoto foi R$ 42,5 bilhões em 2015, sendo a água de distribuição responsável por 67,2% desse total. O custo médio por volume de água distribuída e serviços de esgoto da economia foi de R$ 2,49 por metro cúbico. A atividade econômica Água e esgoto correspondeu a 0,5% do Valor Adicionado Bruto (VAB) total da economia em 2015.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.