Arquivo/AE
Arquivo/AE

Brasil precisa avançar na exploração de recursos hídricos, diz Minc

Para ministro, crescimento da infraestrutura do País tem que garantir o uso sustentável da água

Agência Brasil

23 Março 2010 | 14h56

O ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, afirmou nesta terça-feira, 23, que o Brasil precisa avançar para garantir o uso sustentável dos recursos hídricos. "Estamos num bom momento, crescendo na infraestrutura, na redução das desigualdades sociais, mas ainda precisamos explorar melhor nossos recursos hídricos", disse, ao participar de reunião extraordinária do Conselho Nacional de Recursos Hídricos, que antecedeu a Pré-Conferência Nacional de Águas.

 

Veja também:

linkReúso da água ajuda saúde e meio ambiente

linkVai faltar água boa para o consumo, alerta ONU 

mais imagens Blog Olhar Sobre o Mundo: Águas do Mundo

 

Durante a reunião, o ministro fez um balanço da sua gestão à frente da pasta. Depois de passar um ano e dez meses no comando do ministério, Minc deixará o cargo para disputar novo mandato de deputado estadual no Rio de Janeiro.

 

Dentre as principais ações do ministério citadas por ele está a revisão do Plano Nacional de Recursos Hídricos. Minc também destacou a extensão de programas de preservação ambiental a todos os biomas brasileiros e o Plano Decenal de Saúde Ambiental, que a visa trabalhar políticas de cuidados com o lixo e a prevenção de doenças provenientes da falta de saneamento

 

"Os recursos hídricos precisam acompanhar algumas políticas públicas no país para evitar a poluição e o desmatamento. O conselho tem repensado no trabalho conjunto a partir de uma forma integrada para discussão dentro dessas novas perspectivas", destacou o ministro.

 

De acordo com Minc, entre as conquistas no plano ambiental em 2010 também está a aprovação do projeto de lei sobre a Política Nacional de Resíduos Sólidos, que propõe o uso de ferramentas da chamada ecologia industrial, uma nova abordagem da relação entre a indústria e o meio ambiente.

 

Além de estimular a participação social, a Pré-Conferência Nacional de Águas, que começa hoje à noite, será uma oportunidade para a construção de novos padrões de relação entre o Estado e a sociedade, a troca de experiências, o fortalecimento do pacto social em torno da gestão sustentável dos recursos hídricos e a definição de prioridades na área.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.