Ueslei Marcelino/Reuters
Ueslei Marcelino/Reuters

Brasil não adotará política de 'vender a Amazônia', diz Bolsonaro

Ministro Ricardo Salles anunciou que o País participará da COP-25, na Espanha, para pedir ajuda financeira para combater desmatamento

Mateus Vargas, O Estado de S.Paulo

21 de novembro de 2019 | 09h33

BRASÍLIA - O presidente Jair Bolsonaro disse nesta quinta-feira, 21, que não conversou com o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, sobre o Brasil buscar recursos na Conferência do Clima da Organização das Nações Unidas (COP-25) para preservação ambiental, mas que não aceita a política de "vender a Amazônia".  

"O que não quero é política de vender a Amazônia em troca de migalhas ou grandes fortunas. Amazônia não vai continuar a ser leiloada como foi tempos atrás", disse Bolsonaro. 

O presidente disse ainda que o movimento de Salles é "natural" e que não tem problemas com o ministro.

"Como o Brasil está na questão ambiental no momento? Sessenta e um por cento... Tudo está preservado", afirmou. "Qual país do mundo tem isso? Nenhum. Então, ninguém fica perturbando a gente quanto à questão ambiental."

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Qual país do mundo tem isso (índice de preservação)? Nenhum. Então, ninguém fica perturbando a gente quanto à questão ambiental
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Jair Bolsonaro, presidente da República

Após uma série de confrontos com países, organizações não governamentais (ONGs) e organizações internacionais sobre questões climáticas e desmatamento, a gestão Bolsonaro indicou nesta quarta-feira, 20, uma mudança de postura.

O ministro Salles afirmou que o País participará da COP-25, em Madri, na Espanha, para pedir a colaboração financeira para tocar operações de combate ao desmatamento na Amazônia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.