Brasil fica em 8º lugar em índice de mudança climática

Levantamento deixou três primeiras colocações vazias para destacar falta de ações 'fortes' contra aquecimento

Eric Brücher Camara, BBC

10 Dezembro 2008 | 11h06

O Brasil ficou em oitavo lugar no "Índice de Desempenho em Mudanças Climáticas" - um levantamento realizado por organizações ambientais e divulgado nesta quarta-feira, 10, em Poznan, na Polônia, durante a reunião da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre o tema.     Veja também:   Mundo não espera Europa para acordo climático, diz De Boer UE enfraquece luta contra aquecimento, dizem ambientalistas Estudo diz que mercado de gases estufa cresceu 41% em 2008 Mudança climática pode elevar número de refugiados, diz ONU Acordo para vítimas do clima pode ser necessário, diz WWF Plano federal prevê queda de 70% no desmatamento até 2018 Entenda a reunião sobre clima da ONU na Polônia Quiz: você tem uma vida sustentável?  Evolução das emissões de carbono    Acompanhe a reunião de Poznan  Andrei Netto fala sobre a reunião de Poznan  Andrei Netto fala sobre a reunião de Poznan (2)  Página oficial da conferência  Para destacar a falta de ações "fortes" para a redução de emissões de gases que provocam o efeito estufa, os autores da pesquisa - a ONG Germanwatch e a Rede de Ação Climática (CAN, na sigla em inglês) - deixaram os três primeiros lugares vazios. A lista começa na quarta colocação, com a Suécia. "As emissões totais de todos os países cresceram mais rapidamente do que nunca", justificou Jan Burck, um dos autores do estudo da Germanwatch. Em quinto lugar, ficou a Alemanha, seguida por França, Índia, Brasil, Grã-Bretanha e Dinamarca. Os últimos dez colocados são Grécia, Malásia, Chipre, Rússia, Austrália, Cazaquistão, Luxemburgo, Estados Unidos e, finalmente, Arábia Saudita. Guinada alemã O índice comparou 12 indicadores de 57 países para avaliar o nível de emissões, a tendência e a política para o clima de cada país. Entretanto, ele não levou em consideração as emissões provocadas pelo desmatamento e pelo uso da terra. Somadas, as emissões dos países incluídos no Índice de Desempenho em Mudanças Climáticas representam 90% da produção de gás carbônico no planeta. "Nenhum único país pode ser julgado satisfatoriamente no que diz respeito à proteção do clima", esclareceu Burck, destacando que a recente mudança de direção na política ambiental alemã não pôde ser incluída a tempo. A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, que até a reunião da ONU em Bali, no ano passado, era vista como uma das principais defensoras de metas de redução ambiciosas, vem afirmando que o combate à crise econômica mundial pode levar o país a rever suas posições. Organizações ambientais aguardam a conclusão do encontro em Poznan na sexta-feira para verificar os impactos da crise econômica mundial nas negociações sobre o clima. No ano passado, os três primeiros lugares na lista ficaram com Suécia, Alemanha e Islândia. Na lanterninha, ficaram Austrália, Estados Unidos e Arábia Saudita.   BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Mais conteúdo sobre:
Poznanaquecimento global

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.