Brasil assumirá metas de controle do efeito estufa, diz Minc

As metas ainda serão definidas pelos ministérios do Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia e Itamaraty

Talita Figueiredo, da Agência Estado,

24 Agosto 2009 | 17h40

O ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, anunciou que o Brasil vai assumir metas de redução das emissões de C02 durante a reunião da cúpula da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre Mudanças Climáticas, em Copenhague (Dinamarca), em dezembro. “Está definido que haverá (metas).Isso é mais um avanço das discussões que estão tendo nossas equipes técnicas e vamos chegar a um número. O Brasil terá metas, mas naturalmente cobrará recursos, parcerias tecnológicas”, afirmou Minc, depois de palestra na Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, na Urca, zona sul do Rio.

 

Planos contra o efeito estufa são insuficientes, diz agência

especial Entenda as negociações do novo acordo sobre mudança climática

especialEspecial: Quiz: você tem uma vida sustentável? 

especialEspecial: Evolução das emissões de carbono  

especialEspecial: As ações diárias que salvam o planeta 

especial Expansão econômica vs. sustentabilidade

 

As metas ainda serão definidas pelas equipes técnicas do chamado G-3, que inclui os ministérios do Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia e Itamaraty. “Primeiro foi uma queda de braço para a gente fazer um plano com metas voluntárias e internas, porque antes não tinha nem isso. Depois criamos o G-3 e estamos avançando mais. O Brasil já aceitou o parâmetro de não mais de 2 graus de elevação (da temperatura) até o final do século e não mais do que 450 ppms (partes por milhão) de CO2 na atmosfera”, disse.

 

Para Minc, o Brasil está “lentamente avançando” não somente na modificação da posição de ter meta, mas também do tema em si. Os países ricos têm pressionado os emergentes a se comprometer com as metas internacionais  para reduzir as emissões de gases que causam o efeito estufa.

 

O ministro anunciou ainda que esta semana será apresentado um inventário das emissões de CO2 nos setores de energia, indústria e transportes de 1994 para 2007. Segundo o ministro, houve aumento nessas áreas, mas, por outro lado, este ano será registrado o menor desmatamento dos últimos 20 anos. Os resultados serão usados para embasar as políticas específicas para as áreas. “Antes da reunião de Copenhague teremos um apanhado mais atualizado que vai incluir ainda o setor florestal e agrícola, que são também muito responsáveis pela emissão dos gases causadores do efeito estufa”.

 

Nesta terça-feira, 25, Minc e o ministro da Ciência e Tecnologia, Sérgio Rezende, recebem, em São Paulo, documento de empresas de grande porte com seus compromissos em prol da redução de emissões de gases de efeito estufa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.