BP termina de bombear cimento no poço que vazava no Golfo do México

O progresso foi mais uma boa notícia no que parece ser a virada na luta para conter o óleo

Associated Press,

05 de agosto de 2010 | 19h23

A BP terminou de bombear cimento fresco para seu poço de petróleo explodido nesta quinta-feira, 5, com o objetivo de lacrar de vez o cano rompido que, por meses, derramou óleo cru no Golfo do México, num dos piores desastres ambientais marinhos da história.

 

"Este não é o fim, mas virtualmente garante que não haverá chance de o óleo vazar para o ambiente", disse o almirante reformado Thad Allen, que supervisiona a operação de combate ao vazamento para o governo dos EUA.

 

O progresso foi mais uma boa notícia no que parece ser a virada na luta para conter o óleo. A despeito disso, o pescador Joey Yerkes disse que ele, bem como outros navegadores, mergulhadores e nadadores continuam a encontrar óleo e bolas de piche em áreas que já foram declaradas" limpas".

 

"O fim do vazamento é boa notícia, mas o dano já foi feito", disse ele.

 

Se a lama bombeada na quarta-feira para neutralizar a pressão do petróleo tiver seu efeito aumentado com sucesso pelo cimento de hoje, o passo final envolverá a abertura de um poço auxiliar de 6.000 metros que interceptará o poço destruído na explosão da plataforma Deepwater Horizon, em 20 de abril. A esperança é preencher também o poço auxiliar com lama e cimento.

 

Pode ser necessário um dia inteiro para que o cimento bombeado no poço seque, e mais uma semana para que termine a perfuração do poço auxiliar. O bombeamento de lama e cimento pelo segundo poço deverá consumir dias ou até mesmo semanas, dependendo da presença de novos vazamentos.

 

A despeito do progresso, executivos da BP e autoridades federais não declararão a ameaça encerrada até que o poço auxiliar tenha sido usado - embora os dois lados pareçam discordar quanto ao papel desse segundo poço.

 

O governo tem insistido para que lama e cimento sejam despejados pelo novo túnel mas, por razões que permanecem obscuras, a BP tem se recusado a se comprometer com a estratégia, afirmando apenas que o poço auxiliar será usado de alguma forma, e que representa "parte da solução" para o vazamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.