AP
AP

BP já gastou quase US$ 1 bilhão para tentar tapar vazamento de óleo

Companhia diz que 'ainda é cedo para quantificar outros custos potenciais e responsabilidades jurídicas'

Efe

28 Maio 2010 | 14h08

NOVA YORK - A companhia British Petroleum (BP) informou nesta sexta-feira, 28, que gastou até o momento US$ 930 milhões de dólares para tentar tapar o vazamento de petróleo que joga óleo no mar do Golfo do México há mais de um mês.

 

Veja também:

linkExxon Mobil suspende perfuração no Golfo, após moratória dos EUA 

linkPressionado, Obama faz nova visita a áreas atingidas por vazamento

linkBP levará 2 dias para avaliar operação contra vazamento  

 

"Até o momento o custo chegou a US$ 930 milhões", disse a companhia petrolífera em um comunicado, no qual também ressalta que essa quantidade foi destinada às operações técnicas para tapar o vazamento e no auxílio aos estados do Golfo do México, além de outros pagamentos de reivindicações.

 

A BP acrescenta que "ainda é muito cedo para quantificar outros custos potenciais e responsabilidades jurídicas vinculadas ao incidente".

 

A plataforma "Deepwater Horizon" da BP, instalada nas águas do Golfo do México, explodiu no dia 20 de abril, o que custou a vida de 11 trabalhadores em um desastre ecológico de grande magnitude, já que desde essa data o poço joga entre 12 mil e 19 mil barris de petróleo por dia no mar, segundo a Guarda Costeira dos Estados Unidos.

 

Os danos causados por este vazamento seriam, até o momento, superiores a US$ 1,6 bilhão. A BP indicou também que já recebeu 26 mil reivindicações, das quais pagou 11.650.

 

Operação de estancamento

 

No mesmo comunicado, a empresa ressalta que continua com os trabalhos para tapar o poço. Na quarta-feira a empresa iniciou uma operação denominada "top kill" para selar o poço injetando um fluido composto por uma mistura de água, argila e químicos, à qual se somarão depois camadas de cimento.

 

Caso esta opção falhe, a empresa planeja outra operação chamada "junk shot" que consiste em introduzir uma variedade de materiais a alta temperatura, como peças de borracha, para bloquear o vazamento.

 

O presidente dos EUA, Barack Obama, visita nesta sexta-feira a Louisiana pela segunda vez para supervisionar os trabalhos.

 

O derrame supera o acidente do petroleiro Exxon Valdez no Alasca em 1989, que jogou mais de 40 milhões de litros na região, já que o Serviço Geológico dos EUA calculou que esse poço jorrou entre 71 e 147 milhões de litros de petróleo no mar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.