BP investigada por manipulação do mercado de gás

Acusações se referem a operações realizadas por diversas entidades ligadas à BP entre outubro e novembro de 2008 em Houston

The Guardian,

02 de fevereiro de 2011 | 19h49

A BP está sendo investigada pelos EUA a respeito de uma suposta manipulação do mercado de gás natural.

 

A Comissão Federal de Regulamentação Energética (Ferc, na sigla em inglês) notificou a BP sobre suas conclusões preliminares relacionadas à manipulação em novembro. A informação estava em uma nota de rodapé no relatório anual de resultados da empresa, lançado nesta terça.

 

No mesmo mês, a Comissão Americana de Comércio e Mercado Futuro (CFTC, na sigla em inglês) enviou uma nota à empresa para recomendar iniciativas a respeito das mesmas alegações. Elas se referem a operações realizadas por diversas entidades ligadas à BP, que aconteceram entre outubro e novembro de 2008 em Houston.

 

Em um comunicado, a BP afirmou que respondeu às duas agências detalhadamente, dizendo que "as atividades não se enquadram em nenhuma iniciativa inapropriada ou ilegal." A empresa acrescentou que tem cooperado intensivamente com as investigações e que suas operações de comércio e transporte estão de acordo com a lei.

 

Em um caso separado, em 2006, a BP pagou U$ 300 milhões para se livrar de acusações de que havia manipulado o mercado de propano em os EUA.

A divulgação certamente não ajudará a BP a reconstruir sua maculada reputação, resultado de diversos acidentes nos EUA, que culminaram com o terrível vazamento de óleo no Golfo do México, em 2010.

Até porque o Procurador Geral do Mississipi, Jim Hood, acaba de acusar o administrador do fundo de compensação da BP (relativo ao vazamanto no Golfo) de "deficiências nos processos e violações da lei". Ele afirmou que a Corte precisava intervir para forçar a BP a cumprir suas obrigações. Nomeado pela Casa Branca, Kenneth Feinberg assumiu a gestão do fundo da BP no verão passado.

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
BPmanipulaçãomercado de gásEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.