BP continua a usar produto tóxico para dispersar vazamento de óleo

Agência ambiental havia determinado substituição do produto

Assiciated Press

24 Maio 2010 | 18h25

Trabalhador tenta remover petróleo com pá de praia na Louisiana. Sean Gardner/Reuters

 

A British Petroleum continua a utilizar um produto químico tóxico para tentar dispersar a mancha de óleo que se espalha pelo Golfo do México, mesmo depois de encerrado o prazo determinado para que a estratégia fosse abandonada.

 

Veja também:

linkCusto do vazamento de óleo no Golfo do México supera US$ 760 milhões

linkBP poderá ser 'retirada' de operação contra vazamento, diz EUA

linkBP aceita pagar US$ 75 mi de indenização por vazamento de óleo

linkGoverno dos Estados Unidos faz fortes críticas à BP por vazamento de petróleo

 

A Agência de Proteção Ambiental (EPA) do governo dos Estados Unidos determinou, na semana passada, que a BP encontrasse uma alternativa para o dispersante Corexit 9500, que é considerado um risco "moderado" para a saúde humana. O produto pode provocar irritação nos olhos, pele e no aparelho respiratório.

 

Manifestantes protestam contra a British Petroleum no Texas. Richard Carson/Reuters

 

O Corexit estava numa lista de dispersantes a que a BP tinha acesso depois do início do derramamento, mas autoridades federais dizem que há muitos fatores desconhecidos envolvendo o produto.

 

A EPA ordenou que a BP adotasse um dispersante menos tóxico a partir da noite de domingo. A empresa afirma, no entanto, que não há alternativa melhor disponível.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.