BP contém 1,75 milhão de litros de óleo por dia graças a estrutura

Segundo a Guarda Costeira americana, haverá petróleo no mar por mais 4 a 6 semanas

Efe

07 Junho 2010 | 16h34

WASHINGTON - A estrutura em forma de funil instalada na semana passada sobre o poço de petróleo no fundo do mar no Golfo do México está evitando o derramamento de 1,75 milhão de litros de óleo diários, informaram nesta segunda-feira, 7, as autoridades dos Estados Unidos.

 

Em entrevista coletiva na Casa Branca, o almirante do Serviço da Guarda Costeira, Thad Allen, encarregado de coordenar a operação contra o vazamento de óleo, indicou que as tarefas de contenção do petróleo progridem "muito bem", mas ainda haverá "maré negra" durante semanas e meses.

 

Parte do problema, indicou Allen, é que a mancha negra "começou a se separar" e agora, em vez de uma massa compacta de petróleo, "nos encontramos com centenas de milhares de manchas, cada uma indo em direção a um lugar" diferente.

 

Agora, a prioridade é aumentar a capacidade de recolhimento de petróleo da superfície, algo em que já trabalha o Serviço de Guarda Costeira, disse Allen.

 

Como em ocasiões anteriores, o comando lembrou que o problema não ficará completamente resolvido até o início de agosto, quando serão finalizados os dois poços alternativos que perfura a British Petroleum (BP), empresa responsável pelo vazamento.

 

Mesmo depois que um desses poços entrar em funcionamento, continuará havendo petróleo no mar, pelo menos durante "quatro a seis semanas mais", sem levar em conta o óleo que pode chegar às margens.

 

Segundo Allen, a BP trabalha agora para tentar aumentar o volume de petróleo canalizado do poço a um navio petroleiro na superfície.

 

O vazamento de óleo no Golfo do México começou em 22 de abril, quando uma plataforma petrolífera da BP afundou, dois dias após explodir e matar 11 trabalhadores. O acidente deixou aberto um poço de petróleo no fundo do mar, por onde vaza o minério.

Mais conteúdo sobre:
dd

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.