Tannen Maury/Efe
Tannen Maury/Efe

BP concorda em acelerar indenizações por vazamento

Lei federal dos EUA diz que a empresa é obrigada a pagar por perdas materiais e lucros interrompidos

AP

10 Junho 2010 | 15h23

LOUISIANA - A British Petroleum revelou nesta quinta-feira, 10, seus planos para aumentar a capacidade de capturar o petróleo que jorra do poço que se rompeu no Golfo do México já no início da próxima semana, enquanto a administração do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que a gigante do setor petrolífero concordou em acelerar os pagamentos às pessoas que tiveram seu sustento arrasado pelo vazamento.

 

Veja também:

BP vai coletar mais 10 mil barris de óleo por dia em uma semana

 

Sites lançam concurso de novo logo para a BP

Vazamento de petróleo nos EUA pode colocar em risco crescimento da produção no Brasil

Ações da BP despencam com ameaça de novas punições dos EUA

Os pescadores, donos de propriedades e empresários reclamam dos pagamentos atrasados e insuficientes da BP referentes a pedidos de indenização, por estarem à beira da ruína financeira enquanto os prejuízos do desastre, que já dura sete semanas, crescem.

 

Sob a lei federal, a BP é obrigada a pagar pelas perdas, incluindo danos materiais e lucros interrompidos, e empresa tem contestado a afirmação de que o processo de reivindicações esteja lento ou que a empresa não tem se esforçado o suficiente.

 

Mas, nesta quinta-feira, Wareing Tracy, do gabinete do Comando de Incidentes Nacional, disse que funcionários do governo demonstraram uma preocupação urgente durante reunião na última quarta com executivos da BP sobre o tempo que empresa tem levado para fazer os pagamentos às vítimas.

 

Tracy disse que a empresa iria mudar a forma como processa esses pedidos de pagamentos e acelerá-los. Entre outras coisas, a BP vai abandonar a atual prática de esperar que os empresários atingidos fechem suas contabilidades para, então, fazer as indenizações.

Mais conteúdo sobre:
BPpetróleovazamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.