Adriano Machado/REUTERS
Adriano Machado/REUTERS

Bolsonaro fará pronunciamento em rede nacional sobre queimadas na Amazônia

Após ter sido alvo de críticas no Brasil e no exterior, presidente evitou falas de improviso e o contato direto com a imprensa na manhã desta sexta-feira

Julia Lindner, O Estado de S.Paulo

23 de agosto de 2019 | 13h31
Atualizado 23 de agosto de 2019 | 17h10

BRASÍLIA - O presidente Jair Bolsonaro (PSL) falará em cadeia nacional de rádio e televisão sobre as queimadas na Amazônia e a política ambiental do governo, que tem sido alvo de críticas no Brasil e no exterior. O objetivo é tentar controlar a narrativa sobre o episódio.

Após repercussão negativa sobre declarações polêmicas nas quais acusou organizações não governamentais (ONGs) de serem as principais suspeitas pelos incêndios criminosos na Amazônia, o presidente evitou falas de improviso e o contato direto com a imprensa na manhã desta sexta.

Bolsonaro, que criou o hábito de conversar com jornalistas quase diariamente na saída do Palácio da Alvorada, disse que não poderia falar nesta sexta-feira, 23, com a justificativa de que não tinha tempo. As breves declarações foram feitas a distância, enquanto ele cumprimentava apoiadores e entrava no carro.

A Secretaria Especial da Comunicação (Secom) também montou um esquema de segurança para evitar o contato de Bolsonaro com jornalistas na cerimônia do Dia do Soldado, no Quartel General do Exército. A Secom vetou a presença da imprensa na visita do presidente a uma exposição no local.

O presidente vai se reunir com ministros na tarde desta sexta para discutir a situação na região amazônica, com a possibilidade de acionar tropas do Exército para auxiliar nas operações, o que ocorreria por meio de uma operação de Garantia de Lei e da Ordem (GLO).

Estão previstos no encontro os ministros da Defesa, Fernando Azevedo, de Relações Exteriores, Ernesto Araújo, do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e da Secretaria-Geral,  Jorge Antonio de Oliveira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.