Bolívia leva à reunião da ONU proposta sobre 'dívida ecológica'

O presidente da Bolívia, Evo Morales, disse nesta terça-feira que levará à reunião da ONU sobre mudança climática, em Copenhague, a proposta de que os países que mais emitem gases causadores do efeito estufa paguem a "dívida ecológica" aos mais pobres em vez de cobrar deles suas dívidas externas.

REUTERS

08 Dezembro 2009 | 18h50

O líder indígena de esquerda, que foi reeleito no domingo, alertou que os países pobres, como o seu, são os que mais têm sofrido as consequências do aquecimento global com inundações, descongelamentos e outros desastres naturais.

Morales também culpa as nações capitalistas pelas mudanças climáticas.

"Quem são os culpados? O capitalismo, o imperialismo, são formas de desenvolvimento industrial ilimitado, necessitamos lutar, há que limitá-los, este será um debate", disse em coletiva de imprensa na cidade de Cochabamba.

"Além disso, nossa proposta é séria, os países do capitalismo têm que pagar a dívida ecológica, ao invés de nos cobrar a dívida externa, eles também têm que pagar", acrescentou.

Muitos países sul-americanos têm grandes dívidas com nações desenvolvidas e organismos multilaterais.

Morales destacou que as discussões, que acontecem até 18 de dezembro na capital dinamarquesa, constituem "um debate da vida, um debate sobre a humanidade", e por isso considerou importante participar.

(Reportagem de Silene Ramírez)

Mais conteúdo sobre:
AMBIENTE BOLIVIA DIVIDAECO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.