Bélgica terá parque eólico marinho único na Europa

A principal vantagem deste tipo de plantas eólicas é a redução do impacto visual e ambiental

Efe,

10 Setembro 2009 | 15h38

O parque eólico marinho de Thorntonbank, que terá 60 turbinas, com uma potência instalada de 300 megawatts, a 30 quilômetros do litoral belga, será referência no setor e terá características únicas na Europa.

 

Veja também:

link EUA aprovam verba para pesquisas de energia eólica

especial Dez respostas sobre a energia do vento

blog Imagine só: Herton Escobar fala sobre meio ambiente

 

"Pela primeira vez na Europa, contamos com turbinas de vento de 5 megawatts (MW) cada, afastadas 30 quilômetros do litoral e instaladas a mais de 35 metros de profundidade", segundo Filip Martens, executivo-chefe da C-Power, empresa que administra o projeto.

 

Em sua fase piloto, em junho, os seis primeiros geradores foram instalados e "já funcionam perfeitamente", assegurou Martens, durante a apresentação do parque à imprensa. O custo nesta etapa chega a 150 milhões de euros e inclui, além das seis primeiras turbinas, o cabo que transporta a energia desde os moinhos até Ostende, a cidade belga mais próxima.

 

Mas o objetivo é instalar um total de 60 turbinas, que gerarão 1 terawatt/hora (TWh), equivalente ao consumo de 600 mil pessoas. Segundo os cálculos da C-Power, para isso, serão necessários 900 milhões de euros, um investimento que está previsto para ser pago depois de 12 anos da entrada em funcionamento do parque eólico.

 

A principal vantagem deste tipo de plantas eólicas, frente às localizadas em terra, é a redução do impacto visual e ambiental, embora seus elevados custos de construção e manutenção sejam grandes inconvenientes.

 

"O vento também é melhor, 22% ou 23% mais rápido que na terra, mas não o suficiente para suprir o custo adicional de estar situado no mar", esclareceu Martens.Além disso, a cada quatro horas, o centro de controle da planta tem acesso ao boletim meteorológico, já que o tempo condiciona completamente o trabalho em um parque com estas características."Na realidade, o grande desafio é trabalhar com a climatologia", afirmou Martens.

Mais conteúdo sobre:
energia eólica

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.