The Cousteau Society/Divulgação
The Cousteau Society/Divulgação

Barco de Jacques Cousteau é restaurado para comemorar centenário

Calypso deve ser exposto ao público em 2011, ao fim das comemorações do aniversário de nascimento do cientista francês.

BBC Brasil, BBC

08 Junho 2010 | 10h48

O barco usado pelo oceanógrafo Jacques Cousteau está sendo restaurado e preparado para abrigar uma exposição na França, que marcará o centenário de nascimento do explorador.

As comemorações em Paris devem terminar em 2011 com a abertura do Calypso, que ajudou Cousteau a captar suas primeiras imagens do fundo do mar. Em 1996, um ano antes da morte de Cousteau, aos 87 anos, o Calypso se chocou acidentalmente com um barco em Cingapura, foi danificado e terminou afundando.

Atualmente o Calypso está sendo reformado na França sob supervisão da Sociedade Cousteau e da Equipe Cousteau, liderada pela viúva do explorador, Francine Cousteau.

A intenção é que a embarcação abrigue uma exposição que incluirá os minissubmarinos para uma ou duas pessoas criados por Cousteau, motos submarinas, tanques de oxigênio, roupas de mergulhador, câmeras e outros equipamentos usados durante as expedições do oceanógrafo.

'Mona Lisa do oceano'

O barco de Cousteau foi adaptado para expedições em 1950, quando recebeu um laboratório móvel para ajudar o cientista em suas pesquisas. O Calypso foi equipado também com um "nariz falso", utilizado como câmara de observação submarina.

"Faz muitos anos que este grande embaixador dos mares e oceanos navegou pela última vez", afirmou Francine Cousteau.

"Precisamos de ajuda para completar a reforma do Calypso, mas estamos muito satisfeitos e animados com a perspectiva de ele - a inimitável Mona Lisa do oceano - navegar novamente para continuar a missão de vida de Jacques-Yves Cousteau, promover a apreciação da beleza e da fragilidade dos mares."

O filho de Cousteau, Pierre-Yves, disse que se o pai estivesse vivo "certamente ficaria maravilhado com a tecnologia e a habilidade por trás do trabalho de seus sucessores, que compartilham da filosofia do meu pai de que as pessoas protegem aquilo que amam - e amamos o que nos encanta."

Pierre-Yves acrescentou que o pai ficaria feliz ao saber sobre a criação de diversas áreas de proteção marinha em vários países, e sobre a crescente comunidade de cientistas que trabalham pela conservação da biodiversidade nos oceanos.

"Porém, eu sei que ele também ficaria preocupado com os constantes saques dos oceanos pela indústria da pesca, por aqueles que dizimam o fundo do mar e pescam indiscriminadamente, com as catástrofes geradas na exploração de reservas de petróleo no mar e com a acidificação da água do mar causada pelos gases causadores do efeito estufa, que ameaçam a saúde de toda a vida na Terra", afirmou Pierre-Yves.

2010 X Anos 40

O filho de Cousteau também é responsável por supervisionar uma expedição de filmagens de um mês no Mar Mediterrâneo que será realizada em parceria com a Sociedade National Geographic.

O objetivo é documentar as mudanças no Mediterrâneo desde as primeiras filmagens de Cousteau, nos anos 40, e promover a expansão das reservas marinhas demonstrando sua viabilidade econômica.

"Ao filmar três áreas marinhas que foram protegidas como reservas por mais de 25 anos, os mergulhadores também vão apresentar um quadro de como a riqueza de biodiversidade pode ser restaurada", acrescentou Pierre-Yves.

O centenário do nascimento de Jacques Cousteau será comemorado em várias partes do mundo, incluindo o Brasil, onde os eventos começam entre os dias 15 e 20 de junho em Brasília e Minas Gerais. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.