David Longstreath/AP
David Longstreath/AP

Banco Mundial recomenda fechamento de criações de tigres

Fazendas de criação de tigres são encontradas principalmente na China, bem como no Laos, Vietnã e Tailândia

Associated Press,

28 Janeiro 2010 | 16h36

A China e outras nações asiáticas deveriam fechar as fazendas de criação de tigres mantidas pela iniciativa privada, porque são desumanas e alimentam a demanda por ossos e pele dos animais, ameaçados de extinção, diz o Banco Mundial.

 

Tigres estão próximos de extinção, alerta ONG de preservação

 

O pedido surge no momento em que governos de 13 países onde tigres ainda existem na natureza se reúnem na Tailândia para discutir a conservação da espécie e como aumentar a população dos felinos.

 

Fazendas de criação de tigres são encontradas principalmente na China, bem como no Laos, Vietnã e Tailândia. Os proprietários alegam que criar os animais em cativeiros ajuda a reduzir o comércio ilegal de pedaços de tigre, usados na medicina tradicional, mas os ambientalistas dizem que a prática só estimula o contrabando.

 

"Nossa posição é de que as fazendas de tigre, como prática com animais, são cruéis. Elas estimulam o uso potencial de pedaços de tigre. Isso é extremamente perigoso, porque ajuda a manter a demanda", disse o diretor de programa da Iniciativa Tigre Global, do Banco Mundial, Keshav Varma.

 

A iniciativa é uma coalizão de 40 grupos conservacionistas, além do  Smithsonian Institute. O objetivo é dobrar a população atual de tigres até 2022.

"A Iniciativa Tigre Global, assim como o Banco Mundial, é a favor de que se fechem essas fazendas", disse ele.

 

O número de tigres na natureza despencou por causa da perda mais de 90% de seu hábitat original e da caça ilegal. De um total estimado em 100 mil no início do século 20, o número hoje é de menos de 3,6 mil.

 

Apenas a China abriga, acredita-se, 5 mil tigres em cativeiro, e as fazendas prosperam, a despeito da proibição do comércio de produtos derivados desses animais, em vigor desde 1993.

Mais conteúdo sobre:
tigres ásia china banco mundial

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.