Reuters
Reuters

Bactérias já consumiram quase todo o metano causado por vazamento da BP

Micro-organismos destruíram gás antes que subisse à superfície e fosse liberado na atmosfera

Reuters

07 Janeiro 2011 | 16h19

WASHINGTON - Bactérias já consumiram quase todo o gás metano, potencial causador do aquecimento global, liberado no Golfo do México durante o vazamento de 700 milhões de litros de óleo da empresa British Petroleum (BP) no ano passado.

Veja também:

link Lagos são grandes emissores de gás metano, revela estudo 

Cerca de 200 mil toneladas de metano - mais que qualquer outro hidrocarboneto emitido no acidente - saíram do poço, e quase tudo foi para o fundo do oceano, disse o pesquisador David Valentine, da Universidade da Califórnia em Santa Bárbara, cujo estudo foi publicado na revista Science.

As bactérias conseguiram destruir o gás antes que ele subisse à superfície e fosse liberado na atmosfera, mas o processo contribuiu para uma perda de cerca de 1 milhão de toneladas de oxigênio dissolvido nas áreas ao sudoeste do poço.

Isso pode soar como uma enorme perda de oxigênio, mas ele foi amplamente espalhado, de modo que o processo bacteriano não contribuiu para uma condição de baixa oxigenação conhecida como hipoxia.

O que acontece com o metano tem sido uma questão-chave para cientistas especializados em clima, porque o gás é 20 vezes mais potente na retenção de calor na atmosfera que o dióxido de carbono. Assim como o CO2, ele provém de fontes naturais e artificiais, incluindo a indústria petrolífera.

Durante dois meses após a explosão da plataforma Deepwater Horizon e a ruptura do poço, em 20 de abril de 2010, o metano não foi consumido em torno da abertura, o que levou alguns cientistas a suspeitar de que o gás pudesse permanecer água e, então, chegar ao ar, onde poderia potencialmente reter calor e contribuir para a mudança climática.

O governo dos EUA entrou com uma ação civil contra a BP e seus sócios por danos causados pelo derramamento. Uma comissão da Casa Branca sobre o vazamento disse na última quarta-feira que a empresa e parceiros fizeram uma série de decisões de redução de custos que, em última análise, contribuiu para o derrame.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.