Autoridade do Vaticano critica suicídio assistido de norte-americana

Autoridade do Vaticano critica suicídio assistido de norte-americana

Chefe do Centro de Estudos do Vaticano classificou suicídio como "coisa ruim" por dizer "não à vida".

REUTERS

04 Novembro 2014 | 19h04

Um especialista em bioética do Vaticano criticou nesta terça-feira a morte por suicídio assistido da norte-americana Brittany Maynard, uma doente terminal de 29 anos que pôs fim à própria vida no fim de semana, o que classificou como um "absurdo" indigno.

"Esta mulher (tirou a própria vida) pensando que iria morrer com dignidade, mas esse é o erro", disse o monsenhor Ignacio Carrasco de Paula, líder da Pontifícia Academia para a Vida, à agência de notícias italiana Ansa.

"O suicídio não é uma coisa boa. É uma coisa ruim, porque diz não à vida e a tudo que ela significa com respeito à nossa missão no mundo e com aqueles ao nosso redor", declarou o chefe do centro de estudos do Vaticano em temas relacionados à vida na reportagem publicada no site da agência.

Ele descreveu o suicídio assistido como "um absurdo".

Brittany, que em janeiro foi diagnosticada com um tumor cerebral e havia anunciado planos de usar medicamentos para morrer quando sua dor se ficasse insuportável, tornou-se uma representante do movimento "direito de morrer".

O grupo Compassion & Choices (Compaixão e Escolhas), entidade sem fins lucrativos do Estado do Oregon que ajudou Brittany no fim da vida, declarou no domingo que ela morreu cercada por familiares e amigos.

A Igreja Católica se opõe à eutanásia e ao suicídio assistido, ensinando que a vida se inicia no momento da concepção e deveria terminar no momento da morte natural.

(Reportagem de Philip Pullella)

Mais conteúdo sobre:
RELIGIAO VATICANO CRITICA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.