Tiago Queiroz
Tiago Queiroz

Austrália quer matar 2 milhões de gatos até 2020

Os animais são um dos maiores responsáveis pela extinção de pelo menos 27 mamíferos no país; Plano do Departamento de Meio Ambiente e Energia visa aumentar a resiliência de espécies

Redação, O Estado de S.Paulo

27 de abril de 2019 | 18h15

O Departamento de Meio Ambiente e Energia da Austrália tem o plano de matar 2 milhões de gatos selvagens e erradicar os animais de cinco ilhas até 2020. Tratam-se de gatos domésticos que foram abandonados, se reproduziram na vida selvagem, e passaram a ameaçar os animais nativos do país.

Os gatos selvagens são um dos maiores responsáveis pela extinção de pelo menos 27 mamíferos no país, aponta documento do governo da Austrália.

Eles ameaçam pelo menos 142 espécies de animais, não só mamíferos, mas também répteis, sapos e aves.

De acordo com o governo da Austrália, os gatos selvagens são uma ameaça que foi negligenciada no passado. “Com nosso comprometimento para tomar ações decisivas sobre os gatos e outras espécies invasivas, nós vamos reduzir significantemente o impacto desses predadores e aumentar a resiliência de nossas espécies nativas”, afirma o ministro de meio ambiente.

O país usa aviões para lançar salsichas envenenadas aos gatos. No plano, as medidas para exterminar os animais incluíam o desenvolvimento de uma isca chamada ‘curiosidade’ e até um aplicativo para monitorar e reportar a aparição dos gatos.

O Royal Melbourne Institute of Technology estima que mais de 211 mil gatos foram mortos durante o primeiro ano das medidas australianas.

Quando o plano foi anunciado, em 2015, mais de 160 mil pessoas assinaram petições online para que os animais fossem poupados.

A Austrália é um dos países com maiores níveis de biodiversidade do mundo. De acordo com o documento, mais de 80% dos mamíferos australianos são nativos do país. / com informações do The New York Times

 

Tudo o que sabemos sobre:
FaunaAustrália [Oceânia]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.