Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Austrália protesta contra início de caça baleeira no Japão

Camberra ordenou seu embaixador no Japão a apresentar uma queixa formal pela retomada do programa

EFE,

19 de novembro de 2007 | 12h48

O governo interino da Austrália manifestou, nesta segunda-feira, 19, sua frustração pelo início, no fim de semana, da temporada de caça às baleias no Japão.   Em comunicado conjunto assinado pelos titulares de Exteriores, Alexander Downer, e Meio Ambiente, Malcolm Turnbull, a Austrália indicou que o Executivo se opõe a todas as formas de caça de cetáceos, e pediu que as autoridades japonesas reconsiderem sua posição a respeito desta "prática desumana".      Camberra ordenou seu embaixador no Japão, Murray McLean, a apresentar uma queixa formal pela retomada do programa de caça de baleias jubarte no Pacífico Sul, pondo fim de forma unilateral a uma moratória vigente desde 1963.   Junto a isso, o governo aproveitou o comunicado para criticar, faltando cinco dias para as eleições gerais na Austrália, a proposta da oposição trabalhista de utilizar a Marinha para vigiar navios baleeiros japoneses.      A Comissão Baleeira Internacional (CBI) solicitou, em junho, ao Japão que interrompa seu programa de "caça com fins científicos".      A CBI ratificou a moratória vigente desde 1986 contra a caça de baleias com fins comerciais, apesar das pressões japonesas para que se suspenda o veto contra a captura em pequena escala.      A Noruega é o único país do mundo que permite a caça comercial de cetáceos, mas Japão e Islândia caçam mais de duas mil balias ao ano com fins "científicos", o que, segundo os grupos ambientalistas, é uma forma encoberta de realizar caçadas comerciais.

Tudo o que sabemos sobre:
baleiabaleeirojapãocaça

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.