Austrália aprova nova proteção para Grande Barreira de Corais

Os especialistas preveem que o desaparecimento dos corais adquira caráter anual a partir de 2030

EFE,

29 Janeiro 2009 | 15h44

A Austrália anunciou hoje que adotará mais medidas para proteger a Grande Barreira de Corais, Patrimônio da Humanidade, dos efeitos nocivos da atividade agrícola.   Anna Bligh, governadora do estado de Queensland, no nordeste da Austrália, onde ficam os corais, disse que a partir de junho próximo e regulará a pastagem, o emprego de produtos químicos e o uso de água.   "Uma redução de 80% do nitrogênio de fertilizantes usados melhoraria a condição da Grande Barreira de Corais, 65 ou 70 anos antes de seu desaparecimento catastrófico se transforme em algo normal", indicou Blight.   Os especialistas preveem que o desaparecimento dos corais adquira caráter anual a partir de 2030, em um processo ligado à simbiose que ele mantêm com algumas algas que aderem a sua superfície.   Com a mudança climática o mar se aquece e as algas desaparecem, levando junto os corais.   A legislação atual de Queensland, de 2003, é de cumprimento voluntário e pede aos agricultores que não utilizem pesticidas e adubos nocivos que possam entrar em contato com águas que posteriormente desemboquem no Grande Barreira de Corais.   O Fundo Mundial para a Natureza (WWF, na sigla em inglês) comemorou a ação governamental, que chamou de "tardia", e encorajou os agricultores a cumprir as novas regras.   O porta-voz da WWF, Nick Heath, disse que, com o novo regime e os novos fundos governamentais, os especialistas têm uma oportunidade de salvar a Grande Barreira de Corais.   No início de janeiro, um estudo do Instituto Australiano de Ciências Marinhas alertou que o crescimento da barreira diminuiu em 14% nos últimos 19 anos e estimou que sua sobrevivência está em perigo.   Segundo o relatório, a queda sem precedentes do crescimento dos corais na barreira se deve ao aquecimento de água dos mares e ao aumento da acidez, devido à alta de dióxido de carbono na atmosfera.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.