Efe
Efe

Ativistas libertados denunciam repressão em Copenhague

Membros do Greenpeace foram presos depois de infiltrarem em jantar oferecido pela rainha da Dinamarca

Efe,

07 Janeiro 2010 | 15h43

Os quatro ativistas do Greenpeace libertados em Copenhague, entre eles o diretor da organização na Espanha, Juan López de Uralde, criticaram nesta quinta-feira, 7, a "repressão" da Polícia dinamarquesa sobre as organizações sociais durante a recente conferência climática.

 

Veja também:

linkGovernos estão pressionados a atuar no clima, diz Greenpeace

linkAtivista do Greenpeace acusa governo dinamarquês 

 

Em entrevista coletiva concedida a bordo da embarcação da organização ambientalista, "Rainbow Warrior", López de Uralde destacou que o tratamento recebido pelos quatro ambientalistas durante seus 20 dias de prisão preventiva foi "inutilmente cruel".

 

Ele denunciou a falta de comunicação pela qual passaram, até serem postos em liberdade ontem, e ressaltou que as medidas adotadas contra os quatro membros do Greenpeace foram "absolutamente desproporcionais" em relação às infrações cometidas.

 

López de Uralde e outros dois ativistas foram detidos em 17 de dezembro, depois de entrarem como penetras no jantar de gala oferecido pela rainha Margrethe da Dinamarca aos chefes de Estado e de Governo e exigirem um acordo ambicioso contra a mudança climática. Um quarto ativista foi detido dias depois.

 

López de Uralde e seus três colegas - a norueguesa Nora Christiansen, o suíço Christian Schmutz e o holandês Joris Thijssen - foram postos em liberdade na quarta-feira. Sobre eles, pesam as acusações de invasão de domicílio, falsificação de documentos, entre outros.

 

O diretor do Greenpeace na Espanha disse que está "muito tranquilo" quanto ao futuro processo judicial, ainda sem data definida, embora a pena possa chegar até seis anos de prisão.

 

O diretor do Greenpeace Internacional, o sul-africano Kumi Naidoo, criticou o rigor da atuação policial e sustentou que, em protestos semelhantes realizados nos últimos meses, em Bruxelas ou Barcelona, os ativistas passaram no máximo três dias na prisão.

 

Naidoo disse que a "história julgará quem foram os criminosos na cúpula de Copenhague" e disse que serão os líderes mundiais, que "fracassaram" em alcançar um acordo contra a mudança climática, e não os quatro ativistas do Greenpeace.

 

Ele explicou que o Greenpeace entrou em contato com o Instituto Dinamarquês de Direitos Humanos para "tratar da questão" da detenção, mas insistiu em que isso "não deve desviar a atenção" e reivindicou aos Governos que cheguem a um acordo que "salve o futuro".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.