Ativistas impedem simulação de avalanche com porcos

Animais sedados seriam deixados para morrer na neve; objetivo é criar técnicas de sobrevivência

Associated Press,

14 Janeiro 2010 | 16h25

Protestos intensos de ativistas dos direitos dos animais levaram cientistas a adiar um experimento de avalanche que envolvia enterrar porcos vivos na neve e acompanhar suas mortes.

 

Zoo alemão prepara cinco elefantas para parto com ginástica pré-natal

Parlamento da Catalunha vai discutir proibição de touradas

 

O experimento de duas semanas pretendia determinar que fatores permitem que seres humanos sobrevivam a uma avalanche em um bolsão de ar, até a chegada do resgate, sem sofrer dano cerebral permanente.

 

O codiretor do experimento,  Hermann Brugger, garantiu que os porcos não sofreriam, porque estariam sedados e anestesiados. O estudo é patrocinado por instituições da Áustria e da Itália.

Mas os ativistas classificaram a experiência de cruel e sem sentido.

 

Depois dos protestos, o diretor da Universidade Médica de Innsbruck, Herbert Lochs, confirmou que a realização do experimento estava suspensa, por causa da atenção da mídia provocada pelas demonstrações. Um total de 29 animais havia sido selecionado para o procedimento.

 

Em nota divulgada no website da universidade, os organizadores da experiência declararam que ela é justificável sob o aspecto ético e havia sido aprovada pelo órgão competente do Ministério de Ciências e Pesquisa da Áustria.

 

Brugger disse que o estudo poderá salvar vidas humanas, e que a suspensão significa que os porcos já mortos no curso do estudo morreram em vão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.