Ativistas e baleeiros japoneses entram em confronto na Antártida

Grupo diz que tripulação atacou ativistas com bambus e ganchos; baleeiros reclamam de sabotagem.

BBC Brasil, BBC

18 Janeiro 2012 | 10h31

Três ativistas afirmam ter cortes e lesões pelo corpo depois de um confronto com a tripulação de um navio baleeiro japonês próximo à costa da Antártida. O incidente ocorreu nesta quarta-feira, cerca de 480 km ao norte da Península de Mawson, que fica no continente antártico.

Um comunicado no site do grupo Sea Shepherd, que combate a caça às baleias, disse que a tripulação do navio japonês Yushin Maru 2 usou ganchos e um bastão de bambu para atingir os ativistas, que estavam em dois pequenos botes.

Segundo o grupo, os ativistas tentavam reduzir a velocidade da embarcação japonesa, que estaria perseguindo seu barco, o Steve Irwin.

O Instituto de Pesquisa de Cetáceos (ICR, sigla em inglês), com sede no Japão, disse em comunicado que os ativistas tentaram "sabotar" o Yushin Maru 2, jogando ganchos amarrados a cordas e garrafas de vidro cheias de tinta.

Além disso, segundo o ICR, os ativistas tentaram cortar cordas e enroscá-las nas hélices do navio.

"Quando os ativistas começaram a usar uma faca para cortar as cordas e redes do bote salva-vidas do YS2, a tripulação do navio japonês usou varas de bambu como um meio de empurrar o bote (do Sea Shepherd) de volta", afirma a nota do instituto.

Os japoneses também divulgaram um vídeo do incidente, mostrando um canhão d'água do Yushin Maru 2 sendo usado contra um pequeno bote de borracha, enquanto os ativistas arremessavam objetos contra o navio.

A frota japonesa navega todo ano, durante o outono, em direção ao sul, retornando na primavera seguinte. Essas viagens são sempre acompanhadas por embarcações do Sea Shepherd, que tentam interromper as atividades de caça às baleias.

Banimento à caça

Depois que a Comissão Baleeira Internacional (CBI) proibiu a caça comercial às baleias, em 1986, o Japão criou o Programa Japonês de Pesquisa de Baleias na Antártida (Jarpa, sigla em inglês), que mata cerca de mil cetáceos por ano, alegando fins científicos.

O ICR afirma que o programa é legal e respeita as convenções internacionais. No entanto, grupos ambientalistas como o Sea Shepherd e o Greenpeace criticam a iniciativa, dizendo que ela é um meio para manter ativa a caça comercial das baleias, mas de forma acobertada.

Confrontos entre caçadores e ativistas já ocorreram anteriormente, bem como colisões entre embarcações do Sea Shepherd e navios baleeiros.

Na semana passada, o Japão deportou três ativistas de volta para a Austrália, depois que eles conseguiram embarcar em um navio de apoio a baleeiros.

Alguns países, como a Noruega, rejeitam e ignoram a moratória da CBI, enquanto outros - como o Japão - emitem "permissões científicas" unilaterais, algo que qualquer integrante da comissão pode fazer.

Apesar da proibição, a CBI concede permissões para a caça às baleias a grupos que têm os animais como forma de alimentação de subsistência - caso dos esquimós inupiat, que habitam o Alasca. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.