Paulo Rossi/Diário Popular
Paulo Rossi/Diário Popular

Até reconstruir estação, governo deve usar navio como base na Antártida

Marinha diz que 70% da estação foi destruída pelo fogo e apenas módulos externos ficaram intactos; governo promete reconstrução, mas diverge sobre prazo necessário para realização das obras no continente, que devem demorar entre um e dois anos

Eduardo Bresciani / BRASÍLIA, O Estado de S. Paulo

26 Fevereiro 2012 | 23h43

O ministro da Ciência e Tecnologia, Marco Antonio Raupp, afirmou neste domingo que o governo vai manter o Programa Antártico Brasileiro e deve usar o navio polar Almirante Maximiano como base provisória na Antártida, até que seja reconstruída a Estação Comandante Ferraz, destruída após incêndio na madrugada de sábado. O governo prometeu reconstruir a estação, mas fez estimativas conflitantes sobre o prazo - Raupp afirmou que a recuperação levará um ano; Celso Amorim, ministro das Relações Exteriores, previu o dobro de tempo.

 

Segundo Raupp, algumas das pesquisas desenvolvidas na base não podem ser interrompidas, como as que trabalham com efeitos das mudanças climáticas e das análises de cadeiras alimentares, na área da biologia marinha. Os prejuízos começarão a ser contabilizados neste segunda-feira.

 

A utilização do navio como base provisória pode garantir a continuidade das pesquisas, ainda que de forma precária. "O Almirante Maximiano é um navio polar que pode ficar pela região", disse o ministro. "Não sei em quais condições se pode navegar no inverno, mas pode dar um apoio a essas atividades de pesquisa que não devem ser interrompidas até o restabelecimento completo da base", completou Raupp.

 

Adquirido pelo governo brasileiro em 2009, o Almirante Maximiano tem cinco laboratórios e hangar para dois helicópteros. O país tem ainda o navio Ary Rogel para pesquisas de menor porte, que está quebrado há quase dois meses, no porto chileno de Punta Arenas.

 

Numa avaliação preliminar da Marinha, um grupo enviado ao local constatou que 70% da estação foi destruída - o prédio principal, onde ficavam os alojamentos e vários laboratórios, foi totalmente queimado.

 

Salvaram-se do incêndio os refúgios (dois módulos isolados, para casos de emergências, equipados com alimentos, água, agasalhos e cobertores), os laboratórios de meteorologia, química e de estudo da alta atmosfera, além dos tanques de combustíveis e do heliponto. Essas unidades ficavam isoladas da estrutura principal - cada uma foi construída a pelo menos 150 metros da base; uma delas, está a cerca de 1 km. No momento do acidente, 60 pessoas, entre cientistas e militares, estavam na base - dois militares morreram e um ficou ferido.

 

Recursos. Raupp afirmou que a reconstrução da base exigirá autorizações de gastos extras, já que os custos não foram previstos pelo Orçamento da União de 2012. A suspensão do programa está fora de cogitação, insistiu o ministro: "É preciso entender o que aconteceu, homenagear os companheiros que tombaram e olhar para frente. O programa é o mais importante."

 

O presidente do Chile, Sebastián Piñera, ofereceu ajuda ao Brasil para a reconstrução da base - a intenção foi manifestada por Piñera em telefonema para a presidente Dilma Rousseff. Desde 2007, o Ministério de Ciência e Tecnologia destinou R$ 138 milhões para a operação na Antártida. Inaugurada em 1984, a estação passou por uma grande reforma de R$ 2,7 milhões em 2005, quando estava bastante deteriorada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.