Ásia e América Latina apontam para acordo climático

Compromisso de avanço na questão do aquecimento foi firmado em fórum realizado no Japão

Efe,

18 Janeiro 2010 | 08h45

O Fórum de Cooperação América Latina-Ásia do Leste (Focalal) terminou neste último domingo, 17, em Tóquio com o compromisso de avançar rumo a um acordo sobre mudança climática, após dois dias de sessões dominadas pela crise global e pelo desenvolvimento sustentável.

 

Veja também:

link‘Quem corre perigo são os homens, não a Terra'

linkUE diverge sobre meta para cortar emissão de gases

especialGlossário sobre o aquecimento global

especialRumo à economia do baixo carbono  

 

O encontro marcou o décimo aniversário da criação do Focalal, um fórum que, segundo os 34 ministros de Assuntos Exteriores e vice-ministros reunidos no Japão, passou "de sua infância a sua juventude" e permitiu que "as duas regiões mais dinâmicas do mundo se olhem mais de perto".

 

Os ministros lembraram que a de Tóquio foi a primeira reunião multilateral que acontece após a Cúpula de Copenhague sobre Mudança Climática, em dezembro do ano passado, e asseguraram que "resta muito trabalho para ser feito".

 

Embora com interesses tão contraditórios como os da China - maior poluidor do mundo, junto com os EUA - e América Latina - que representa apenas 5% das emissões de CO2 -, os membros do Focalal acertaram "trabalhar de forma construtiva" com o olhar voltado para a próxima conferência COP 16 do México no final do ano.

 

A chanceler mexicana, Patricia Espinosa, assegurou à Agência Efe que o interesse mostrado pelos representantes dos 34 países do fórum é "encorajador", e assegurou que o México fará "o necessário" para seguir construindo um acordo.

 

No documento emitido no final da reunião, a chamada "Declaração de Tóquio", os ministros refletem este compromisso, embora matizam que a proteção meio do meio ambiente "deve ser compatível com o desenvolvimento econômico e social", lembrando o "direito soberano" de cada país a utilizar seus recursos.

 

Em entrevista coletiva ao término do fórum, o titular argentino de Exteriores, Jorge Taiana, enfatizou que os países em desenvolvimento "não são os maiores causadores da mudança climática" e pediu que se encontre um consenso.

 

Também o vice-ministro de Exteriores peruano, Néstor Popolizio, falou da "responsabilidade diferenciada" dos membros, antes de advertir que "se não forem criados mecanismos efetivos de cooperação, os desastres climáticos não serão manejáveis".

 

No Focalal, que nasceu em 1999 por iniciativa de Cingapura e Chile, participam pela parte latino-americana Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Cuba, República Dominicana, Equador, El Salvador, Guatemala, México, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Peru, Uruguai e Venezuela.

 

Pela parte asiática estão Brunei, Camboja, China, Indonésia, Japão, Coreia do Sul, Laos, Malásia, Mongólia, Mianmar, Nova Zelândia, Filipinas, Cingapura, Tailândia e Vietnã, além da Austrália.

Mais conteúdo sobre:
America LatinaAsiaacordoclima

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.