Roberto Stuckert Filho/PR
Roberto Stuckert Filho/PR

Às vésperas de anúncio, Dilma ainda discute meta de redução de emissões

O principal entrave parece estar relacionado à participação que o setor de energia terá e sobre o número absoluto para diminuição da emissão de gases até 2030; aposta em opções esbarra na vontade da presidente de manter investimento no pré-sal

Giovana Girardi e Tânia Monteiro, O Estado de S. Paulo/Enviada especial a Nova York

26 Setembro 2015 | 03h00

Faltando menos de 40 horas para o anúncio da meta brasileira de redução das emissões dos gases de efeito estufa, a presidente Dilma Rousseff ainda debatia no início da noite desta sexta-feira, 25, em Nova York, qual será seu conteúdo.

Dilma agendou para domingo, às 11h30 (horário de Brasília), o anúncio da chamada INDC, sigla no jargão climático para o conjunto de compromissos que todos os países do mundo têm de propor para combater as mudanças climáticas. É uma contribuição para a Conferência do Clima de Paris, que será realizada em dezembro. 

Segundo o Estado apurou, Dilma saiu na quinta à noite do Brasil sem uma decisão e pediu para que a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, a acompanhasse no voo para Nova York para debaterem o assunto. As discussões continuaram ao longo desta sexta, depois que a presidente assistiu ao pronunciamento do papa Francisco na abertura da Conferência da ONU sobre o Desenvolvimento Sustentável.

Entraves. Dilma voltou para o hotel antes de o evento terminar e se reuniu com Izabella; o ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira; o assessor especial da presidência para assuntos internacionais, Marco Aurélio Garcia; e o presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Maurício Tolmasquim. O principal entrave parece estar relacionado à participação que o setor de energia terá na meta e sobre o número absoluto que o País vai apresentar de redução das emissões até 2030. Estudos recebidos pelo governo projetavam que as emissões nacionais podem estar em torno de 1,3 a 1,5 gigatonelada de carbono até 2030. Hoje o valor é de cerca de 1,60 Gt.

Historicamente a maior contribuição do Brasil com a concentração de gases de efeito estufa na atmosfera se deu com o desmatamento da Amazônia. Mas com a redução de 82% nos últimos dez anos, outros setores passaram a pesar mais, como agropecuária e energia. 

Estudos entregues ao governo durante o debate da criação da INDC apontaram que é possível reduzir muito as emissões de energia se o País trocar os investimentos massivos em combustíveis fósseis para outros em solar, eólica e etanol. Pelo que o Estado apurou, Dilma reage à ideia de não investir pesadamente no pré-sal.

A presidente só deixou o hotel ao fim do dia para um encontro com o presidente do Irã, Hassan Rohani. Questionada pela reportagem sobre a meta, disse que “vai ser uma boa meta”. “O Brasil sempre dá sua contribuição. Nós somos um país especial nessa área. Nós reduzimos em 82% o desmatamento. Nós temos uma matriz energética hidrelétrica, solar e eólica.” 

Sobre se outras áreas, além das que envolvem o desmatamento, vão ter de dar a sua contribuição, a presidente Dilma respondeu: “Óbvio. Já entraram. Nós temos agricultura de baixo carbono. Nosso plano agrícola e pecuário hoje prevê todo financiamento para agricultura de baixo carbono.”

A ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva criticou ontem a demora do governo. Para ela, deixou-se a declaração para o último momento “para não receber as críticas e contribuições da sociedade”. / COLABOROU HERTON ESCOBAR

Mais conteúdo sobre:
Dilma Rousseff ONU

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.