EFE/EPA/Robert Perry
EFE/EPA/Robert Perry

Às vésperas da COP-26, centenas de defensores do clima marcham pelas ruas de Glasgow

Ativistas reivindicaram que líderes internacionais adotem medidas mais concretas de combate à crise climática durante a conferência da ONU

Redação, O Estado de S.Paulo

30 de outubro de 2021 | 21h14

LONDRES - Centenas de pessoas se reuniram em Glasgow ao longo deste sábado, 30, para pedir aos líderes mundiais que tomem ações contra a mudança climática às vésperas da conferência climática COP-26. Muitos dos presentes caminharam dezenas ou até milhares de quilômetros para chegar ao local, dando início às manifestações que antecederam a conferência do clima da ONU na cidade escocesa.

No final da tarde, a ativista sueca Greta Thunberg, de 18 anos, chegou de trem a Glasgow, tendo participado na véspera de uma ação com outros jovens ambientalistas contra o papel das instituições financeiras na crise climática. Diante da imprensa, a líder do movimento "Fridays for Future" preferiu não fazer declarações.

"Eu finalmente cheguei a Glasgow para a COP26! Muito obrigado por esta recepção calorosa", publicou Thunberg em suas redes sociais.

Os manifestantes da Espanha, Bélgica e Escócia marcharam pelo centro da cidade com slogans como "Ações agora", "Ações, não palavras" e "Chega de combustíveis fósseis", liderados pelo grupo Rebelião da Extinção.

"Esperamos medidas mais ambiciosas, que nossos dirigentes políticos tenham consciência da urgência da situação, pois nossos filhos e nossos netos correm o risco de viver em um mundo muito mais complicado, que vai sofrer graves desordens climáticas", afirmou Dirk Van Esbroeck, um aposentado belga de 68 anos, à AFP.

Ele e 20 outros membros do grupo "Avôs pelo Clima" viajaram de trem da Bélgica para Edimburgo, antes de chegarem andando a Glasgow. "Ainda há um longo caminho entre as declarações e as ações", acrescentou o homem, que tem cinco filhos e 12 netos.

Mais de 100 líderes, incluindo o presidente Jair Bolsonaro, o estadunidense Joe Biden, o francês Emmanuel Macron e o indiano Narendra Modi, devem participar da cúpula, considerada crucial na luta contra as mudanças climáticas.

Ativistas do clima de todo o mundo também estarão presentes. De acordo com os organizadores, até 100.000 pessoas devem comparecer a um grande comício na próxima sexta-feira, 5.

"Estamos aqui para exigir justiça climática" para os países do Sul, disse Becky Stockes, uma tradutora de 31 anos que foi a pé da Espanha. A COP-26 é "uma última chance", disse ela, que espera "ver medidas concretas" no evento.

Para Maciej Walczuk, "25 COPs já foram realizadas e o clima nunca esteve tão ruim". O estudante de 19 anos espera que desta vez a conferência seja "diferente" e se "comprometa a agir para salvar vidas".

De acordo com a Polícia Escocesa, cerca de 10.000 policiais de todo o Reino Unido serão destacados diariamente durante a COP-26, representando a maior operação policial já realizada na Escócia. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.