Artistas, ambientalistas e cidadãos comuns protestam contra a BP e a exploração offshore

Hands across the sand quer reunir milhares de pessoas nas praias de 30 países; no Reino Unido, festa da Tate Gallery, patrocinada pela BP, terá piquete na porta

Karina Ninni, Com informações do The Guardian

25 Junho 2010 | 15h48

Neste sábado (26.06) são esperadas milhares de pessoas em diversas praias do mundo para uma corrente de protesto contra a exploração de petróleo em alto mar. Mais de 30 países aderiram à iniciativa de Dave Rauschkolb, um surfista da Flórida que criou o evento em outubro de 2009, para protestar contra a queda de barreiras para a exploração de petróleo na costa do Estado.

 

As instruções são para que as pessoas estejam nas praias mais próximas e às 12h formem linhas, de mãos dadas. Qualquer cidadão pode marcar seu evento na praia mais próxima: basta entrar no site www.handsacrossthesand.org e inscrevê-lo.

 

No Brasil, já há dois eventos marcados: um na Praia do Rio Vermelho, em Salvador, e outro na Ilha das Peças, em Paranaguá (PR).

 

"Estamos mobilizando as pessoas pela internet e instruindo-as para chegar na praia cedo, porque vamos organizar também um mutirão de limpeza", explica o administrador Miguel Sehbe Neto, que está organizando o evento em Salvador.

 

"A imagem é poderosa, a menssagem é simples: não para a exploração offshore e sim para a energia limpa", disse Rauschkolb. "Estamos desenhando uma linha na areia contra a exploração em alto mar. Nenhuma indústria deveria ter o poder de colocar economias costeiras e o meio ambiente marinho em risco com erros perigosos e sujos", resume.

 

 

No Reino Unido, um grupo de artistas vai fazer piquete na festa de verão da Tate Gallery na segunda-feira, quando a galeria comemora 20 anos de patrocínio da BP. O grupo, auto-intitulado Good Crude Britannia, formado por artistas, poetas, escritores e cineastas, vai fazer uma manifestação contra o patrocínio da empresa para várias instituições artísticas importantes do País. Muitos dos artistas e financiadores culturais mais proeminentes da Europa são esperados na festa, organizada pelo Lorde Browne de Madingley, diretor-presidente da Tate e executivo da BP.

 

A companhia petrolífera se recusou a divulgar o montante de dinheiro que doa às artes na Bretanha, mas é sabido que, juntamente com a Shell, a BP é um dos maiores financiadors de atividades artísticas no País. É o maior patrocinador do British Museum, das galerias Tate, da Royal Opera House e da National Portrait Gallery. Também patrocina o National Maritime Museum e os museus de Ciências e de História Natural.

 

Em um movimento complementar, músicos como Lady Gaga, Korn, Disturbed, Godsmack, Creed e os Backstreet Boys disseram que planejam boicotar a BP em suas turnês nacionais este ano.

 

"É absurdo que a Tate seja patrocinada por uma companhia tão irresponsável e poluente como a BP", disse Matthew Herbert, um artista multimídia e compositor que vai comandar o palco de jazz no festival de música de Glastonbury, que acontece neste final de semana.

 

Em um comunicado, a Tate disse que há um comitê ético na instituição que regularmente revê os acordos de patrocínio. "BP é uma das mais importantes patrocinadoras das artes no Reino Unido, e provê suporte financeiro para muitas outras instituições além da Tate", dizia o documento.

 

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.