NILTON FUKUDA/ESTADÃO
NILTON FUKUDA/ESTADÃO

Artista expõe 'caçambas conceituais' de lixo em SP

Regiões de Pinheiros e Butantã receberão 15 esculturas vazadas, constituídas por linhas de metal em seu contorno e com adesivos refletivos; ideia é mostrar que o lixo produzido não desaparece

Ana Paula Niederauer, O Estado de S.Paulo

30 de agosto de 2019 | 20h57

SÃO PAULO - A partir deste sábado, 31, a população da capital paulista vai se deparar com mais uma obra do artista Eduardo Srur, conhecido por suas intervenções urbanas na cidade. Desta vez, as regiões de Pinheiros e Butantã, no entorno do MuBE (Museu Brasileiro da Escultura e Ecologia), na zona oeste, receberão 15 esculturas criadas que remetem a uma caçamba - objeto utilizado para descarte de resíduos e cada vez mais presente no espaço público.

De acordo com Srur, as esculturas possuem a forma e tamanho original de uma caçamba de entulho, porém são vazadas, constituídas somente por linhas de metal em seu contorno e com adesivos refletivos para serem vistas durante a noite.

"O objetivo da caçamba de entulho é deslocar o lixo, mas o lixo não desaparece, ele vai para outro lugar e não fica mais na sua frente. A minha caçamba conceitual perde essa função de deslocamento de resíduo da sociedade. A pessoa pode jogar o lixo ali, mas vai ficar aparente. Não vai ficar escondido", disse.

Para Srur, a intervenção urbana com caçambas conceituais tem duplo simbolismo. "Além de mostrar para as pessoas o excesso de lixo que a gente produz, a obra também reflete sobre a necessidade de descartar pensamentos que são inúteis, ou seja tudo aquilo que não presta você faz um descarte simbólico na caçamba", explicou.

As 15 esculturas, uma no MuBe e as outras 14 espalhadas em diferentes endereços, ficarão instaladas durante um mês e depois serão deslocadas para periferia da cidade.

"Eu sempre digo que a arte tem que provocar o olhar, os sentidos, a percepção para depois gerar a reflexão.Por isso que eu faço arte pública, intervenção urbana, para pegar as pessoas de surpresa no cotidiano dela". No decorrer da exposição, será feito um ensaio fotográfico dos pontos caóticos onde as caçambas estão instaladas, onde o entulho e o descarte irregular dominam a paisagem urbana.

Além dos locais inicialmente ocupados na cidade, Srur participa com a obra “Caçambas” na exposição Ambiental: arte e movimentos, no MuBE. A mostra tem como objetivo reafirmar a vocação do museu na defesa do meio ambiente. A curadoria é organizada pelo museu e a Fundação SOS Mata Atlântica. Na mostra, Srur apresenta um vídeo da obra produzido dentro do Ceagesp, onde toneladas de comida são desperdiçadas diariamente.

Em junho, Srur atracou um barco às margens do Rio Pinheiros como crítica à poluição. Em 2006, ele ocupou 3 quilômetros do rio com 150 caiaques tripulados por manequins de plástico que se juntaram ao lixo flutuante e formaram uma ilha de resíduos que remetia ao mapa do Brasil. 

Em 2014, sua exposição "As Margens do Rio Pinheiros" trazia esculturas realistas de pessoas em trampolins azuis nas pontes que cruzam as marginais. Em 2017, navegou uma escultura monumental de 40 metros na forma de um peixe sobre as águas do rio. A grande boca aberta do "Pintado" buscava, em vão, um pouco de oxigênio já inexistente no local. 

Veja abaixo a localização onde ficarão expostas as 15 caçambas

  • MuBE - Rua Alemanha, 221, Jardim Europa
  • Av. Europa X Rua Groenlândia 
  • Praça Adolfo Bloch 
  • Av. 9 de julho X Av. Cidade Jardim 
  • Estação Oscar Freire 
  • Av. Cidade Jardim X Av. Faria Lima
  • Av. Morumbi X Av. Oscar Americano 
  • Shopping JK Iguatemi 
  • Ponte Cidade Jardim 
  • Jockey Club  
  • Jockey Club 2 
  • Av. Francisco Morato X Av. Vital Brasil 
  • Largo da Batata 
  • Rodovia Raposo Tavares 
  • Rua Alvarenga X Rua Camargo 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.