Armani responde acusações da Peta sobre uso de peles animais

Grupo disse ter decidido não utilizar mais peles de animais, com exceção da pele de coelho

Ansa

07 Outubro 2008 | 15h17

Após o protesto de ativistas da associação de defesa dos animais Peta, o grupo Giorgio Armani divulgou uma nota em que declara "ter decidido renunciar à realização de produtos com pele de animais, com exceção da pele de coelho, que deriva do uso de animais já empregados como fonte alimentar".   Veja também:  Peta organiza protesto contra Giorgio Armani   A associação realizou um protesto nesta terça-feira, 7, em frente à loja Emporio Armani de Milão, acusando Armani de ter mentido ao garantir que não usaria mais peles de animais em suas criações.   No comunicado, o grupo disse "não poder deixar de destacar como a Peta está usando o nome da empresa para sensibilizar a opinião pública, não considerando que a presença dos produtos em pele nas coleções da grife sempre foi extremamente pouco relevante, ao contrário do que acontece em outras casas de moda, que fazem das peles seu principal negócio".   O comunicado termina dizendo que "o que é mais reprovável é a tentativa por parte da Peta de desacreditar o nome da empresa, contatando diretamente pessoas muito próximas à grife Armani", em referência à iniciativa dos ativistas de entrar em contato com celebridades que vestem Armani, como Tom Cruise e Cate Blanchett, para pedir seu apoio à campanha.

Mais conteúdo sobre:
meio ambientepelesarmanipeta

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.