Ar da Times Square está mais limpo desde interdição para carros

Índices de óxido e dióxido de nitrogênio caíram 63% e 41%, respectivamente

EFE,

13 de abril de 2011 | 16h29

Nova York, 13 abr - O ar da praça nova-iorquina Times Square, por onde transitam diariamente cerca de 250 mil pessoas, está "substancialmente" mais limpo desde que foi parcialmente interditada para veículos, segundo um relatório publicado nesta quarta-feira, 13, pelo Departamento de Saúde de Nova York.

"A nova Times Square é um exemplo da energia e vitalidade de Nova York, em vez de poluição e congestionamento", disse a comissária do Departamento de Transportes da cidade, Janette Sadik-Khan, que apresentou o relatório junto ao comissário de Saúde, Thomas Farley, e ao prefeito, Michael Bloomberg.

O estudo, que analisou a qualidade do ar dos cinco distritos que formam a Big Apple, revela uma "imediata e substancial" melhora do ar na Times Square desde que, em 2009, as autoridades decidiram restringir a passagem de veículos pela praça símbolo, bem como pela Union Square e Herald Square.

O prefeito de Nova York afirmou que a ideia de criar praças exclusivas para pedestres "no coração da cidade" tinha como objetivo acabar com os "gargalos" no trânsito, bem como melhorar a qualidade do ar, "que é exatamente o que mostram esses novos dados".

Eles revelam que os índices de óxido e dióxido de nitrogênio, dois poluentes muito associados ao tráfego de veículos, caíram, respectivamente, em 63% e 41% na Times Square, desde que a praça foi parcialmente reservada ao trânsito de pedestres.

A pesquisa faz parte do projeto PlaNYC, lançada por Bloomberg em 2006 para reduzir as emissões de gases do efeito estufa na cidade. Ela demonstra que "mesmo pequenas melhoras na qualidade do ar podem gerar enormes lucros na saúde de todos os nova-iorquinos", tal como indicou Farley.

O Departamento de Saúde da cidade calcula que uma redução de 10% dos atuais níveis de poluição poderiam prevenir até 350 mortes e 230 internações em hospitais por ano em Nova York.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.