Arquivo/AE
Arquivo/AE

Aquecimento global pode beneficiar produção agrícola, afirma cientista

Produtores europeus poderiam plantar culturas que se desenvolvem melhor em altas temperaturas

Reuters

27 Abril 2010 | 15h52

Apesar do severo inverno que atingiu os países do hemisfério norte neste ano, o aquecimento global não apresenta sinais de regressão, afirmou nesta terça-feira, 27, a Agência Alemã de Meteorologia (DWD, da sigla em inglês). Mas as mudanças climáticas estão sendo vistas pelos alemães como um impulso para a agricultura local.

 

Veja também:

linkJapão analisará compromisso para distribuir ajuda contra aquecimento 

especialGlossário sobre o aquecimento global

especialRumo à economia do baixo carbono 

 

Segundo a DWD, a elevação da temperatura na Alemanha pode representar um impulso aos produtores agrícolas locais. "Os agricultores do norte da Europa serão beneficiados com o aquecimento. O aumento da temperatura vai expandir o potencial de crescimento agrícola de forma considerável", afirma Paul Becker, da DWD.

 

"Os produtores alemães poderão plantar diversas variedades de milho que se desenvolvem melhor em temperaturas mais altas. Mas teremos que observar um potencial problema: a falta de água", disse Becker.

 

O número de céticos sobre as mudanças climáticas têm aumentado na Alemanha, um dos quatro maiores países industrializados do mundo. Uma pesquisa apontou que 42% dos alemães estão preocupados com o aquecimento global, ficando abaixo dos 62% verificados em 2006. Cerca de 30% dos entrevistados afirmaram que não consideram válidas as pesquisas sobre o clima e aproximadamente 40% acreditam que a Alemanha vai se beneficiar com as mudanças climáticas.

 

"É um erro interpretar esse rigoroso inverno que tivemos no fim do ano passado e no início deste ano como um sinal de que o aquecimento global pode estar freando. Os pesquisadores têm que analisar pelo menos um período de 30 anos para falar sobre as mudanças climáticas", disse Wolfgang Kusch, presidente da Agência Alemã de Meteorologia. "Se registramos baixíssimas temperaturas no último inverno, a última década foi a mais quente na Alemanha em 130 anos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.