Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Douglas Magno/AFP
Douglas Magno/AFP

Aquecimento global leva a 'clima de extremos', diz especialista; chuvas se intensificaram no Sudeste

Na avaliação do meteorologista José Marengo, do Cemaden, governos não estão se preparando para a nova realidade, a despeito dos alertas dos cientistas

Roberta Jansen, O Estado de S.Paulo

28 de janeiro de 2020 | 09h00

RIO - O aquecimento global está fazendo com que fenômenos raros se tornem cada vez mais frequentes e os governos não estão se preparando para a nova realidade, a despeito dos alertas dos cientistas. A avaliação é do coordenador-geral de Pesquisa e Desenvolvimento do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), o meteorologista e climatologista José Marengo, ao falar sobre os recentes episódios de chuvas intensas no sudeste.

“Estamos vivendo um clima de extremos”, sustenta Marengo. “Os extremos de chuva estão aumentando e essa é uma tendência também para o futuro; a chuva que era para cair em um mês, está caindo em um ou dois dias.”

O número de mortos em consequências das fortes chuvas que atingem Minas Gerais desde a última quinta-feira, 23, chegou a 47 nesta segunda-feira, 27. A quantidade de desalojados chegou a 14.609; e o de desabrigados, a 3.386. Diante da tragédia, o Estado ampliou para 101 o número de municípios em situação de emergência em função dos temporais. No Espírito Santo, a chuva deixou 8.914 desalojados e desabrigados e nove mortos. 

De acordo com o especialista, a causa direta das chuvas dos últimos dias é a zona de convergência do Atlântico Sul, a grande faixa de nuvens que se estende da floresta amazônica até o oceano e é responsável pelas chuvas na região central do País e no Sudeste.

A elevação das temperaturas do planeta, no entanto, faz com que fenômenos extremos como as últimas chuvas em Minas – as mais intensas dos últimos 100 anos – se tornem cada vez mais frequentes.

“A comunidade científica já mostrou que os extremos de chuvas estão ficando mais intensos e frequentes, mas isso parece ser ignorado pelas autoridades”, constata Marengo. “Os piscinões parecem ser subdimensionados, os bueiros estão entupidos com lixo que a população deixas nas ruas, os governos são mais reativos que proativos, prevenção é muito raro nas comunidades;  ou seja, precisamos de estar preparados para reduzir a vulnerabilidade da população.”

Chuva no Rio deixou dois mortos

Duas pessoas morreram vítimas das chuvas e das enchentes que atingem o norte e o noroeste do Estado do Rio. A primeira vítima foi o músico Anderson Titolei, que morava em Porciúncula e morreu no sábado, 25. Nesta segunda-feira, 27, o Corpo de Bombeiros encontrou no Rio Muriaé, em Itaperuna, o corpo do auxiliar de padeiro Taciano dos Reis Gama, de 19 anos, que pulou no rio no sábado, acompanhando três amigos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.