Divulgação
Divulgação

Vídeo põe papa Francisco como herói na luta climática

Produção humorística sobre nova encíclica, que vai tratar de mudanças, não foi bem recebida por católicos conservadores

Giovana Girardi , O Estado de S. Paulo

15 Junho 2015 | 03h00

CAMBRIDGE - Um vídeo com jeitão de filme de ação de Hollywood que começou a pipocar na Internet na última quinta-feira, 11, retratando o papa Francisco como um herói contra as mudanças climáticas foi vetado por católicos nos Estados Unidos, retirado do ar apenas algumas horas após ser lançado, e acabou sendo adotado por uma ONG brasileira.

Divulgado originalmente pela organização ecumênica Our Voices no Facebook e no Youtube, o material humorístico tem como mote a nova encíclica que o Vaticano divulga na próxima quinta-feira, 18. A expectativa é que o texto traga uma mensagem incisiva para que a humanidade adote ações fortes de combate às mudanças climáticas e a degradação do meio ambiente. Será a primeira vez que um líder da Igreja Católica vai adotar esse posicionamento.

A carta papal, dirigida a todos os bispos e, portanto, a todos os católicos do mundo, vem sendo ansiosamente aguardada por cientistas, ambientalistas, politicos e pessoas que trabalham com a comunicação do problema. Espera-se que o texto, retratado neste sábado pelo jornal britânico Guardian como uma “intervenção explosiva”, poderá ajudar a mudar mentes entre os negacionistas do clima nos Estados Unidos e a virar o jogo nas negociações em torno de um novo acordo global para reduzir as emissões de gases de efeito estufa. A questão tem de ser resolvida até o final do ano, em conferência em Paris.

Auto-censura. Mas numa espécie de auto-censura – que reflete a tensão que os EUA enfrentam diante da animosidade dos conservadores em relação ao texto –, o vídeo acabou sendo retirado do ar pela Our Voices algumas horas depois de ser divulgado.

Segundo apurou o Estado, organizações católicas “enfurecidas” ligaram para a ONG criticando o material, entre elas a Catholic Climate Covenant (Convênio Católico pelo Clima – grupo que se denomina a voz da Igreja sobre as mudanças climáticas). A rede brasileira Observatório do Clima, que reúne diversas ONGs nacionais, acabou abraçando a divulgação do vídeo, que foi distribuído em três línguas (inglês, português e espanhol) e já alcançou até ontem mais de 27,3 mil visualizações nos três formatos (a maioria delas da versão em inglês).

Por um lado parece ter havido uma certa ciumeira de um grupo que teria ficado ofendido de não ter sido consultado na produção do vídeo. Por outro, a ala mais conservadora da Igreja Católica nos EUA, que têm resistido às atitudes progressivas de Francisco e enfrentado pressão de financiadores, não teria gostado muito das brincadeiras feitas pelo vídeo. Por fim, também deve ter pesado um temor de que o vídeo mais complicaria que ajudaria as relações com os conservadores dos Estados Unidos.

Nessa esfera política, já há alguns meses, representantes do Partido Republicano – notórios por recusar que humanos são responsáveis pelas mudanças climáticas ou que seja preciso tomar ações contra elas – têm questionado a atitude pró-clima de Francisco.

Em setembro ele virá aos Estados Unidos e fará uma visita ao Congresso. A expectativa é que, depois da encíclica, o encontro vai gerar uma saia-justa entre republicanos católicos, como John A. Boehner, de Ohio, que tem criticado a agenda ambiental do presidente Obama como "matadora de empregos". Alguns candidatos do partido à presidência, como Jeb Bush e Marco Rubio, também são católicos.

Um ponto que parece ter incomodado os católicos americanos é que o vídeo não se contém em apresentar uma das principais mensagens do papa – de que lutar para evitar as mudanças climáticas envolve uma questão moral. Afinal, mesmo com o problema sendo democrático o bastante para afetar todo mundo, serão os mais pobres que devem sofrer mais.

Épico. A peça bem humorada retrata Francisco como um lutador de boxe que treina no melhor estilo Rocky Balboa para combater, numa “épica batalha”, aqueles que querem destruir o planeta – ou a "criação de Deus”, como apresenta o narrador. Ele corre, pula corda, transforma o cetro papal em uma arma marcial e treina com ninguém menos que o próprio Jesus Cristo.

"Ele é um homem gentil, um homem sagrado, mas o que ele fará quando o planeta criado por Deus, com amor, virar alvo de ataques?”, inicia o narrador. Na sequência, o “papa-lutador” anuncia: "Se destruirmos a criação, a criação nos destruirá”. A frase realmente foi dita por Francisco há alguns meses. Algumas cenas depois, outra frase real do papa é apresentada: “A natureza nunca perdoa. Se você a ataca, ela sempre contra-ataca”. 

E as forças que precisam ser combatidas, segundo o vídeo, são os vilões da indústria dos combustíveis fósseis. Segundo o Estado apurou, para alguns dos católicos que desaprovaram o filme, colocar a culpa nos combustíveis fósseis só instigaria a direita americana contra os católicos.

O reverendo Fletcher Harper, diretor da Our Voices, defendeu o material, mas disse que entendeu a posição dos católicos mais tradicionais. “O vídeo é bem humorado, é uma maneira de engajar os mais jovens que não necessariamente se conectam com a religião de outras maneiras. E de uma maneira meio estranha, acho que ele poderia ser uma forma de evangelização. Entendi que não seriam todas as pessoas que iriam gostar, mas os mais jovens e os mais liberais vão e essa é uma audiência que eu gostaria que fosse parte da Igreja no futuro”, afirma.

"Além disso, considerando o vídeo como uma metáfora, ele não é apenas sobre o papa, mas todos os líderes, que também precisam ser fortes e corajosos para lidar com o problema das mudanças climáticas. Mas entendo que nem todos os religiosos mais tradicionais ficarão confortáveis com o vídeo e respeito eles”, complementou. Harper afirmou ainda que pretende voltar a compartilhar o material depois da publicação da encíclica.

Para a ONG brasileira que encampou a divulgação do vídeo, a mensagem é inofensiva. "Acreditamos que não só não há ofensas, como que o próprio papa aprovaria o filme”, afirmou Carlos Rittl, secretário-executivo do Observatório do Clima.

Procurada pela reportagem, a organização Catholic Climate Covenant manifestou sua posição por meio de nota de seu diretor associado, Lonnie Ellis: "Embora o vídeo seja obviamente satírico, nós simplesmente achamos que era indigno e incompatível com a mensagem do papa. O papa é atencioso e esperançoso, não combativo, em sua mensagem de ajudar os pobres que estão feridos por rupturas climáticas."

Mais conteúdo sobre:
papa francisco

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.