Após inundações, 'supertufão' Parma chega às Filipinas

As Filipinas declararam na sexta-feira estado de calamidade nacional por causa do "supertufão" Parma, uma semana depois das inundações que mataram quase 300 pessoas em Manila e arredores.

ROSEMARIE FRANCISCO, REUTERS

02 Outubro 2009 | 09h18

O olho da tempestade se encontra cerca de 150 km a leste de Luzon, e ganha força ao rumar no sentido oeste-noroeste em direção à terra, provocando fortes chuvas.

Ele deve chegar no sábado à província de Isabela ou arredores, no nordeste do território. A área é montanhosa e pouco populosa, mas o Parma deve provocar fortes chuvas em Luzon nos próximos dois dias, piorando a situação de regiões já atingidas pelas enchentes.

"Estamos preocupados com os efeitos de mais chuvas no trabalho de auxílio nas áreas inundadas, porque o nível da água pode voltar a subir," disse o secretário de Defesa, Gilberto Teodoro, em rede nacional de televisão.

A região da Ásia e do Pacífico foi atingida por diversos desastres naturais nos últimos dias, incluindo o tufão Ketsana, que matou mais de 400 pessoas nas Filipinas, Camboja, Laos, Tailândia e Vietnã.

Há dezenas de milhares de desabrigados no sul de Laos, e houve inundações também no norte da Tailândia.

Além disso, dois violentos terremotos atingiram a ilha de Sumatra, causando milhares de mortos, e um tsunami matou quase 150 pessoas na Samoa e na Samoa Americana.

Em Taiwan, as autoridades identificaram 12 aldeias a serem evacuadas antes da chegada do Parma e de outra tempestade no Pacífico, o tufão Melor.

Em agosto, o governo de Taiwan foi duramente criticado por seu comportamento após um tufão que matou 770 pessoas.

Mais conteúdo sobre:
CLIMA TUFAO PARMA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.